Ex-porta-aviões São Paulo pode ser afundado pela Marinha nesta quarta-feira

Comando da Marinha teria decidido colocar casco do navio a pique por meio de explosivos, a despeito de danos ambientais. Ministério Público Federal tenta impedir naufrágio intencional
O porta-aviões São Paulo ao lado do USs Ronald Reagan (CVN-76)

O destino final do casco ex-porta-aviões São Paulo deve ser mesmo o fundo do mar. A Marinha do Brasil teria confirmado a veículos de imprensa a intenção de afundá-lo nesta quarta-feira, 1º de fevereiro, a despeito dos danos ambientais que podem ser causados.

O Ministério Público Federal, no entanto, tenta barrar a ação na Justiça. O processo está correndo na 2ª Vara Federal de Pernambuco, mas talvez seja tarde para que qualquer decisão tenha efeito.

A embarcação está em alto mar na altura de Pernambuco desde o dia 20 de janeiro, quando um navio da Marinha, acompanhado da fragata “União”, assumiu seu reboque após sua dona desistir de levá-lo para a Turquia.

Siga o AIRWAY nas redes: Facebook | LinkedIn | Youtube | Instagram | Twitter

O navio voltou ao país em outubro do ano passado, após o governo turco proibir sua entrada em suas águas, onde seria desmontado. A razão alegada é a quantidade de amianto e outros materiais tóxicos que fazem parte da sua estrutura. Até hoje, não há um entendimento sobre qual é o tamanho da carga já que Marinha e entidades apontam números diferentes.

Após três meses de impasse, o estaleiro turco Sök Denizcilik and Ticaret Limited decidiu renunciar ao direito de propriedade do ex-São Paulo. A empresa tentou obter autorização para realizar reparos no navio a fim de tentar recebê-lo na Turquia, mas várias instâncias governamentais negaram essa possibilidade.

O casco do ex-porta-aviões São Paulo em agosto do ano passado, antes de deixar o Rio de Janeiro (AIRWAY)

Violação de tratados ambientais internacionais

Desde o final do ano passado, a Marinha tem dado indícios de que a situação do navio é cada vez pior, com degradação das condições de flutuabilidade. Por isso, o naufrágio intencional, por meio de explosivos, seria o caminho para pôr fim ao navio.

Entidades ambientais já haviam alertado sobre as intenções da Marinha, mas não conseguiram mobilizar o governo federal a impedir os planos.

“Pelas evidências disponíveis, a Marinha do Brasil já deveria ser condenada por negligência grave. Se continuarem a despejar a embarcação tóxica no Oceano Atlântico, violarão os termos de três tratados ambientais internacionais e o farão por nenhuma boa razão”, disse Jim Puckett, diretor da ONG Basel Action Network.

AIRWAY enviou questionamentos à Marinha do Brasil em 21 de janeiro, mas até a publicação deste artigo não havia recebido resposta.

Total
0
Shares
1 comment

Comments are closed.

Previous Post

E acabou: último Boeing 747 da história é entregue

Next Post
O Super Tucano é a principal aeronave de ataque empregada na Operação Ostium (FAB)

FAB inicia controle do espaço aéreo da Terra Indígena Yanomami

Related Posts
Total
0
Share