Com dois modelos na frota, a FAB deve receber mais um par de KC-390 da Embraer até o final deste ano (FAB)

Os 12 primeiros pilotos da nova aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB), o KC-390 Millennium, pertencente ao Primeiro Grupo de Transporte de Tropa (1° GTT) – Esquadrão Zeus, sediado em Anápolis (GO), concluíram nessa terça-feira (16), o curso de formação na aeronave. Com isso, estão aptos a realizarem missões operacionais de Transporte Aéreo Logístico.

A fase inicial do curso aconteceu em 2019 na sede da Embraer, localizada em Eugênio de Melo, distrito de São José dos Campos (SP). As três primeiras semanas, chamadas de Ground School (curso teórico da aeronave), foram seguidas de uma semana no simulador de voo da Embraer. O simulador recria as leis de controle do avião e permite que os pilotos se adaptem aos comandos de voo do tipo fly-by-wire. Encerrando a primeira fase, os pilotos voltaram para a Ala 2 – Base Aérea de Anápolis (GO) para iniciarem os voos de formação.

A fase de voos foram divididas em duas partes: EBFT (Extended Basic Fly Training), em que os pilotos realizam o treinamento de voo básico na aeronave, e o ALST (Aero Logistic Supervision Training), realizando missões de voos logísticos, onde operaram em diversas localidades e transportaram diferentes tipos de cargas, muitas delas em apoio à Operação COVID-19. Nas duas fases do treinamento, os pilotos do 1° GTT voaram com instrutores da Embraer.

O Comandante do 1° GTT, um dos pilotos formados, Tenente-Coronel Aviador Luiz Fernando Rezende Ferraz, ressalta a operacionalidade que a Força Aérea ganha com a formação, uma vez que são os primeiros 12 pilotos militares operacionais de KC-390 no mundo. “Saímos da esfera de treinamento e passamos para o emprego militar da aeronave, o que nos permitirá explorar cada vez mais as suas capacidades. É um salto muito importante não só para o projeto desenvolvido pela Embraer, como também para a FAB e para o Brasil”, disse.

A novidade para a maioria dos pilotos foi a transição de voar aviões a hélice para aviões a jato. “A adaptação, porém, não foi difícil. Nossa maior surpresa foi a superfície de comando, as leis de controle do KC-390, o comando fly-by-wire, que é diferente do que todos os 12 pilotos já voavam antes”, comentou o Major Aviador Rafael Portella Santos, um dos pilotos formados no KC-390.

Os primeiros pilotos de KC-390 do mundo: militares atuam na Base Aérea de Anápolis – ALA 2 (FAB)

Os pilotos que participaram desta etapa são experientes, oriundos de diferentes Esquadrões da FAB e voaram aeronaves como E/R-99, C-130, C-105 e P-3.

Multimissão

A Força Aérea Brasileira (FAB) tem hoje dois jatos KC-390 Millennium em operação e deve receber mais um par da Embraer até o final deste ano. Ao todo, a FAB encomendou 28 aeronaves. Outro cliente do cargueiro é a Força Aérea Portuguesa, que vai receber cinco aviões até 2027.

Tanto o Brasil como Portugal, um parceiro estratégico do programa C-390, escolheram a aeronave multimissão da Embraer para substituir suas antigas frotas de turboélices C-130 Hercules. O projeto também tem a participação de fornecedores da Argentina e República Tcheca, embora esses países ainda não tenham feito pedidos.

O novo cargueiro da Embraer recebeu a certificação da ANAC em outubro de 2018 e o primeiro aparelho foi entregue à FAB no dia 4 de setembro de 2019, em cerimônia realizada na base aérea de Anápolis (GO).

Os Hercules voam com a FAB há mais de 50 anos (FAB)

A FAB e a Embraer ainda trabalham na fase de certificação de Capacidade Operacional Final (FOC, na sigla em inglês), uma espécie de atestado militar que comprova todas as capacidades propostas no projeto da aeronave. E no caso do C-390, a lista é longa.

Capaz de transportar até 26 toneladas de carga, o jato militar da Embraer comporta dois veículos blindados, um tanque ou um helicóptero. Configurado para tropas, embarca 80 soldados totalmente equipados ou 66 paraquedistas. Também pode lançar cargas em voo e operar como avião tanque reabastecendo outras aeronaves ou mesmo receber combustível de outro “Millennium”. O currículo do aparelho ainda inclui missões de combate a incêndio e voos para regiões polares.

KC-390 em teste de reabastecimento aéreo com caças F-5 da FAB (Embraer)

O C-390 cumpre as mesmas tarefas dos velhos Hercules, só que mais rápido. Com motores a jato, o modelo fabricado pela Embraer voa a velocidade de cruzeiro de 870 km/h a 11.000 metros de altitude, enquanto os C-130 vão a 540 km/h e 10.000 m. Segundo dados da Embraer, a aeronave tem alcance de 2.820 km com uma carga de 23 toneladas – e até 6.130 km em voos de deslocamento (ferry). Como comparação, o turboélice da Lockheed tem autonomia de 3.800 km com 19 ton, praticamente a carga máxima da aeronave.

Nos últimos meses, os dois KC-390 da FAB vêm realizando uma série de viagens pelo Brasil transportando suprimentos médicos e equipamentos em ações de enfrentamento ao coronavírus. No futuro, talvez este momento seja lembrado como a “primeira guerra” do novo jato militar fabricado pela Embraer.

Veja mais: Os aviões da Embraer testados em combate