FedEx vai aposentar os trijatos MD-10 em 2022

Clássico trimotor da McDonnell Douglas voa com a FedEx há mais de 40 anos
A FedEx operou um total de 77 cargueiros MD-10 nos últimos 40 anos (Dylan Ashe/Creative Commons)
A FedEx operou um total de 77 cargueiros MD-10 nos últimos 40 anos (Dylan Ashe/Creative Commons)

A companhia cargueira FedEx confirmou nesta semana que vai aposentar seus antigos trijatos MD-10 no próximo ano. Em comunicado aos investidores, a empresa diz que os investimentos e o crescimento obtidos no ano fiscal de 2019 criaram o “momento ideal” para comprar novas aeronaves e desativar os modelos menos eficientes.

“Nós aposentamos com sucesso todos de nossas aeronaves A310, e esperamos aposentar toda a nossa frota de MD-10 até o final do ano fiscal de 2022”, informou a empresa norte-americana. As aeronaves serão substituídas pelos bimotores Boeing 767F e 777F.

O clássico jato da McDonnell Douglas voa com a FedEx há quase 40 anos. A empresa tem atualmente 17 unidades ativas (quatro MD-10-10 e 13 modelos MD-10-30). É a maior frota do tipo no mundo, e também uma das últimas.

A FedEx recebeu os primeiros modelos em 1980 e operou um total de 77 aeronaves, segundo dados do Airfleets. No passado, o avião tinha outro nome: ele era o DC-10. A mudança aconteceu em 1996, quando a McDonnell Douglas lançou a versão modernizada MD-10, que incorporava os mesmos sistemas do MD-11, um dos jatos comerciais mais avançados da década de 1990.

Embora apareça na lista de aviões “menos eficientes” da FedEx, o MD-10 ainda esbanja uma capacidade invejável. O modelo MD-10-10 suporta uma carga útil de 65 toneladas e tem autonomia de 3.700 km. O MD-10-30 é ainda mais impressionante: comporta quase 82 toneladas e tem alcance próximo dos 7.000 km.

O MD-10 ainda tem uma capacidade de carga invejável (Dale Coleman/Creative Commons)
O MD-10 ainda tem uma capacidade de carga invejável, mas o conceito de três motores não é mais viável (Dale Coleman/Creative Commons)

Os MD-10 remanescentes na frota da FedEx têm uma idade média de 40 anos. O mais antigo é o modelo “N550F”E, entregue pela McDonnell Douglas em 1972 à American Airlines, em versão de passageiros. Em 1997, a aeronave foi adquirida pela empresa cargueira e convertido para a nova missão.

Ave rara

Um tipo de avião cada vez mais raro nos aeroportos, os trijatos logo deve entrar em extinção. Um dos modelos mais icônicos da categoria, o DC-10/MD-10 é um dos poucos de sua espécie que ainda sobrevive no mercado, embora por pouco tempo.

Além da FedEx, outro operador comercial do MD-10 é a TAB Cargo, da Bolívia, que possui um cargueiro listado como ativo (com matrícula CP-2791) – ontem mesmo (21/1) o modelo fez um voo entre Miami e Santa Cruz de La Sierra, segundo dados do Flightradar24.

O DC-10 voou no Brasil com as companhias aéreas Varig e VASP (JetPix -Wikimedia Commons)
O DC-10 voou no Brasil com as companhias aéreas Varig e VASP e empresas de carga (JetPix -Wikimedia Commons)

Outros operadores do clássico trijato são as forças aéreas dos EUA e da Holanda. Os americanos, no entanto, já começaram a desativar seus KC-10 Extender, versão militar adaptada para missões de reabastecimento aéreo (REVO). O modelo derivado do DC-10 é até hoje o “avião-tanque” com maior capacidade operado nos EUA, capaz de transportar 165.561 kg de combustível.

Até pouco tempo, o MD-10 servia em missões variadas. A empresa 10 Tanker Air Carrier desativou no ano passado os últimos modelos adaptados para combater incêndios. A Omega Air também aposentou recentemente o último KC-10 civil do mundo, usado em missões REVO com clientes militares, assim como o trijato da fundação Orbis International, que servia como um hospital móvel.

Total
26
Shares
Previous Post

Turkmenistan Airlines encomenda dois cargueiros A330P2F

Next Post

Alaska Airlines recebe primeiro Boeing 737 MAX 9

Related Posts