Força Aérea do Paquistão recebe primeiros caças J-10C da China

Jato militar fabricado pela estatal Chengdu é considerado o equivalente chinês do F-16 dos EUA
Segundo dados da Chengu, o J-10 pode voar a velocidade máxima de 2.205 km/h (Mach 1.8) e tem alcance de 2.600 km (PAF)

A Força Aérea do Paquistão (PAF) oficializou nesta sexta-feira (11) a introdução do caça multifuncional J-10C em sua frota, se tornando o primeiro cliente estrangeiro do jato de combate fabricado pela estatal chinesa Chengdu Aircraft Corporation. A PAF recebeu um lote inicial de cinco aeronaves de uma encomenda que pode chegar a 25 caças, segundo a imprensa paquistanesa.

No fim de fevereiro, dois caças J-10C com insígnias da PAF foram fotografados voando pelos arredores de Chengdu, na província de Sichuan no centro da China, onde fica localizada a linha de montagem final da aeronave. Era um indicativo de que as aeronaves estavam prestes a serem entregues, algo que na época não foi confirmado por nenhuma das partes envolvidas no acordo.

O interesse do Paquistão no J-10 era especulado há mais de 10 anos. A primeira confirmação sobre a negociação, porém, veio à tona somente em dezembro de 2021, quando o ministro do interior paquistanês, Skeish Ahmed, declarou que o primeiro lote de caças chineses seria apresentado durante as comemorações do Dia da República do Paquistão, em 23 de março de 2022. No fim das contas, a cerimônia de apresentação dos aviões foi antecipada.

O J-10 é considerado o equivalente chinês ao F-16 dos EUA (PAF)

O Chengdu J-10, que voou pela primeira vez em 1999 e entrou em serviço seis anos depois, é o caça mais numeroso no inventário da força aérea chinesa, que opera quase 500 unidades da aeronave. Analistas ocidentais consideram o jato monomotor chinês equivalente ao modelo norte-americano F-16 Fighting Falcon, produzido Lockheed Martin.

Frota diversificada

As tensões de longa data com a vizinha Índia levaram o Paquistão a montar um grande aparato militar de defesa e ataque. A força aérea do país, por exemplo, conta com mais de 500 jatos de combate fornecidos por diferentes fabricantes.

O principal vetor de interceptação e ataque do país é o caça F-16, importado dos EUA. O Paquistão também é o último operador ativo da série Mirage III/5, da francesa Dassault Aviation. Compõem a frota paquistanesa ainda o jato Chengdu J-7 (versão chinesa do antigo MiG-21) e o modelo nacional JF-17 Thunder, produzido pela Pakistan Aeronautical Complex, e que também tem sido considerado pela Argentina como seu futuro interceptador.

O J-10 é um caça monomotor ligeiramente maior que o JF-17, que também tem colaboração chinesa. Ele é mais pesado (19,3 toneladas contra 13,5 toneladas de peso máximo na decolagem), mais potente (um turbofan Shenyang WS-10B com 32 mil libras de empuxo com pós-combustor, comparado ao Klimov RD-39 do Thunder, com 19 mil libras de empuxo) e leva mais armamentos em seus pontos externos.

O Paquistão opera a versão chinesa do MiG-21, o Chengdu J-7 (Divulgação)
O Paquistão opera a versão chinesa do MiG-21, o Chengdu J-7 (Divulgação)

Total
68
Shares
Previous Post

Caças Gripen da FAB passeiam por ruas suecas antes do embarque para o Brasil

Next Post

Delta e Air France-KLM entram na disputa pela ITA Airways

Related Posts
Total
68
Share