Futuro avião presidencial de Donald Trump pode custar quase o mesmo que um porta-aviões

Dois novos Air Force One podem custar R$ 20 bilhões mesmo utilizando aviões Boeing 747-8i convertidos e sem recursos como reabastecimento aéreo
Um dos Boeing 747-8i usados que serão convertidos para Air Force One (Reprodução/Youtube)
Um dos Boeing 747-8i usados que serão convertidos para o Air Force One (Reprodução/Youtube)

O presidente americano Donald Trump é conhecido pelas polêmicas desde que chegou à Casa Branca, mas o republicano logo terá de enfrentar um novo problema, nesse caso em relação aos novos Air Force One, aviões presidenciais dos EUA. O projeto que criará os VC-25B, baseado no Boeing 747-8i, foi contratado junto à fabricante do jato em 2017 ainda na gestão de Barack Obama. Ao assumir, Trump reclamou do preço alto e em fevereiro do ano passado anunciou um generoso desconto da Boeing, que teria caído de US$ 5,3 bilhões para US$ 3,9 bilhões – ainda assim um valor unitário de mais de R$ 7,5 bilhões.

A suposta economia, no entanto, teria desaparecido à medida que o projeto avança. Pela primeira vez, os novos Air Force One apareceram no orçamento de defesa do país e os valores voltaram à US$ 5,3 bilhões, algo como R$ 20 bilhões, pouco menos do que o custo de um porta-aviões da classe Nimitz (cerca de R$ 24 bilhões). A razão para isso está nos custos associados ao projeto em que as células dos 747 são a menor parte do problema – tanto assim que a Boeing usará dois aviões comerciais convertidos que haviam sido encomendados pela falida companhia aérea russa Transaero e que hoje repousam num deserto na Califórnia.

O que faz o Air Force One tão caro são os sistemas de comunicação, defesa e sobrevivência em caso de guerra. Para os americanos, o avião presidencial é mais do que um transporte VIP, como ocorre em outras nações. O VC-25 é uma espécie de “Casa Branca” voadora, capaz de permitir que o mandatário do país continue ativo em qualquer cenário e possa inclusive acionar um ataque nuclear em caso de uma agressão extrema.

Mas mesmo assim pensar que um avião possa custar R$ 10 bilhões é uma insanidade principalmente quando esse valor envolve gastos como a reforma do imenso hangar que hoje acomoda os dois VC-25 baseados no antigo jato Boeing 747-200. Tudo porque o 747-8i, de dimensões maiores que seu antecessor, não cabe na estrutura construída na base aérea de Andrews, perto de Washington.

Projeção do novo Air Force One, baseado no 747-8 (Boeing)

Sem reabastecimento aéreo

Críticos nos EUA têm observado que o projeto do novo Air Force One pode ser um imenso gasto desnecessário afinal os VC-25A atuais foram modernizados desde que entraram em serviço em 1990. E que, ao contrário dos 747 que serão convertidos, possuem capacidade de reabastecimento em voo. Nos novos aviões, a Força Aérea dos EUA eliminou a adaptação por conta do aumento do custos.

Outro argumento levantado é que a USAF está hoje à procura de uma plataforma capaz de substituir aviões como o C-32 (um 757 VIP), o E-4B e o E-6B, plataformas aéreas de comando e comunicação que utilizam aeronaves 707 e 747. Com a entrada em serviço do KC-46, avião de reabastecimento aéreo baseado no 767, pareceria mais razoável realizar uma encomenda integrada que criasse versões específicas para essas funções e nas quais o Air Force One poderia ser inserido.

A ironia nessa história é que existe a possibilidade de Donald Trump não realizar um único voo no próximo avião presidencial. Isso porque o cronograma prevê o início dos trabalhos apenas no final de 2020 com entrega programada para 2024, ano em que o republicano se despedirá da Casa Branca caso não consiga ser reeleito no ano que vem. Como atrasos não são novidade nesses projetos, possivelmente o próximo presidente a ter o caríssimo VC-25B ainda seja um desconhecido.

A Força Aérea dos EUA conta atualmente com quatro Boeing E-4B (USAF)
A Força Aérea dos EUA também utiliza o 747 em outras funções como plataforma aérea de comando (USAF)

Veja também: Boeing 747: os 50 anos do gigante dos céus

Total
6
Shares
3 comments
  1. Os aviões não são do Trump, são do governo dos Estados Unidos. Chegou a hora de trocar e caiu no colo dele a bomba. Os próximos presidentes também utilizarão as aeronaves, que são caras justamente pela tecnologia inserida neles.

  2. Comentário perfeito Julio. Apenas para agregar que começou com Obama e será entregue depois que Trump sair. UOL faz a chamada da reportagem para dar a entender ao público que não lê a íntegra da reportagem que o Trump tá gastando muito dinheiro público.

  3. Acho que não é um gasto desnecessário; pode ser caro agora, mas será um aeronave que poderá servir os presidentes dos EUA por mais ou menos 30 a 40 anos com alguma modernização no meio desse período.
    Eles também poderiam também manter um dos 747-200 atuais (com alguma modernização) por mais um tempo (uns 10~12 anos a mais de uso) e só deixando o mais novo 747-8 para o presidente e dar prioridade em trocar os veteranos 707 (trocar estes pelos 777 ou 787) que já deve estar no limite das atualizações.

Comments are closed.

Previous Post

Internacionalização do aeroporto de São Carlos abre mercado para centro de manutenção da LATAM

Next Post
(Rolls-Royce)

Rolls-Royce inicia testes com motor híbrido-elétrico para a aviação

Related Posts