GE e Safran lançam programa CFM RISE, que prevê novo motor 20% mais eficiente

Empresas estenderam joint venture até 2050 e pretendem estudar tecnologias de propulsão com fans abertos, híbrida-elétrica e hidrogênio
O conceito de motor com fan aberto da CFM: economia de 20% em relação aos turbofans atuais (Safran)

A General Electric e a Safran anunciaram nesta segunda-feira, 14, um ambicioso programa que prevê o desenvolvimento da nova geração do motor CFM, surgido com a criação da joint venture das duas empresas em 1974.

Batizado de CFM RISE (Revolutionary Innovation for Sustainable Engines, ou Inovação Revolucionária para Motores Sustentáveis), o programa tem como meta demonstrar uma nova linha de tecnologias disruptivas para futuros motores que entrarão em serviço a partir de meados de 2030.

Entre as tecnologias a serem estudadas estão uma arquiteura de “fan aberto”, capacidade híbrido-elétrica, uso de combustível de aviação sustentável e hidrogênio.

A nova linha de motores que deve substituir a série Leap será capaz de oferecer um consumo de combustível e emissões 20% menor que os turbofans atuais, afirmam.

O programa CFM RISE pretende colocar em produção um motor revolucionário a partir de meados de 2030 (Safran)

As duas empresas aproveitaram a ocasião para estendera parceria na CFM até 2050, quando esperam que as emissões de CO² serão reduzidas pela metade.

“O relacionamento entre a GE e a Safran hoje é o mais forte do que nunca”, disse John Slattery, CEO da GE Aviation ex-Embraer. “Juntos, por meio do programa de demonstração da tecnologia RISE, estamos reinventando o futuro do voo, trazendo ao mercado um conjunto avançado de tecnologias revolucionárias que levarão a próxima geração de aeronaves de corredor único a um novo nível de eficiência de combustível e emissões reduzidas. abraçar totalmente o imperativo da sustentabilidade”.

“Nosso setor passa por um dos períodos mais desafiadores que já enfrentamos”, disse Olivier Andriès, CEO da Safran. “Temos que agir agora para acelerar nossos esforços para reduzir nosso impacto sobre o meio ambiente. Desde o início da década de 1970, a eficiência e confiabilidade do motor tem sido a marca de nossa parceria histórica e nosso motor LEAP já reduz as emissões em 15 por cento em comparação com a geração anterior motores”.

Teste com o motor 'propfan': velocidade de jato, consumo de turboélice
Teste com o motor ‘propfan’ ma década de 70

Propfan

O aspecto mais chamativo do projeto é o conceito de fan aberto, com dois estágios, o primeiro deles com 12 pás. A ideia lembra vagamente o sistema Propfan, ou UDF (Unducted Fan, algo como fan sem carenagem), que a própria GE avaliou na década de 80 em jatos 727 e MD-80 como bancadas de testes.

A diferença é que no Propfan as hélices (ou fans) estavam localizados na porção traseira do motor, recebendo o fluxo de ar aquecido do compressor. A Safran também avaliou um conceito parecido anos atrás, o Open Rotor que, assim como o UDF, possuía a seção externa na parte posterior.

Nos anos 80, no entanto, a tecnologia perdeu força após o motor revelar ser muito ruidoso. Propfans, no entanto, acabaram sendo adotados em aeronaves como o Antonov An-70, mas numa escala menor e mais simples.

O programa CFM RISE pretende concluir um motor de demonstração capaz de voar até meados desta década.

Total
60
Shares
Previous Post

Airbus cria dois centros para desenvolver aviões movidos a hidrogênio

Next Post

De olho na China, Airbus e Boeing celebram trégua comercial entre EUA e Europa

Related Posts