Governo britânico investe quase R$ 1,8 bilhão em projeto de novo caça

Programa do FCAS dará origem a um caça de 6ª geração, associado a uma aeronave não tripulada e sistemas de dados avançados em meados dos anos 2030
Concepção artística do caça Tempest (BAE)

O programa Future Combat Air System (FCAS), do Reino Unido, recebeu um novo investimento de £ 250 milhões (cerca de R$ 1,8 bilhão) do governo britânico para avançar para sua próxima fase.

O Ministério da Defesa do Reino Unido assinou o contrato com o ‘Team Tempest’, formado pelas empresas BAE Systems, Leonardo UK, Rolls Royce and MBDA UK, que darão início à fase de infraestrutura física e digital do programa, que dará origem a um caça de 6ª geração, uma aeronave não tripulada e sistemas de dados avançados.

“O dia de hoje marca um passo importante na próxima fase do nosso Future Combat Air System, com um investimento de várias milhões de libras que se baseia no conhecimento e nas habilidades de nossos especialistas da indústria do Reino Unido”, disse o secretário de Defesa Ben Wallace.

“Este projeto é extremamente importante para garantir que o Reino Unido e seus parceiros tenham as habilidades e a tecnologia de que precisamos para nos dar a vantagem de vencer as batalhas para o futuro”, afirmou o diretor do programa, Richard Berthon.

Segundo o governo britânico, o programa passará a definir e iniciar o projeto do futuro sistema de combate aéreo, amadurecer as tecnologias envolvidas, investir numa força de trabalho capaz e desenvolver a infraestrutura digital e física para apresentar alternativas de conceitos até 2024.

Programa F-X
Programa F-X do Japão: caça de 6º geração pode compartilhar soluções com o Tempest (Divulgação)

Nova parceria

O FCAS do Reino Unido conta também com acordos de parcerias com os governos da Suécia e da Itália, que têm interesse numa futura empreitada internacional.

Além deles, o governo do Reino Unido também conversa com o Japão para uma possível colaboração entre os programas Tempest e F-X.

O Reino Unido planeja colocar o Tempest em serviço em meados dos anos 2030.

Total
26
Shares
Previous Post

Condor escolhe o A330-900neo para substituir seus Boeing 767

Next Post

Operadora sul-africana de aeroportos ACSA deixa sociedade na GRU Airport

Related Posts