eVTOL da Hyundai é projetado para quatro passageiros e viagens de até 100 km. Encara? (Uber)

Famosa no mundo todo por seus automóveis, a Hyundai Motor agora quer criar asas. A fabricante da Coreia do Sul apresentou nesta terça-feira (7), na abertura da feira de tecnologia CES 2020 em Las Vegas, um conceito de aeronave eVTOL para servir como táxi voador da Uber.

Nova parceira no projeto “Uber Elevate”, a Hyundai é o primeiro nome do setor automotivo que adere à iniciativa da companhia norte-americana. Até então somente empresas da indústria aeronáutica estavam no grupo, como a Boeing, Embraer e a Bell Helicopter, além de outros participantes menos conhecidos, como a Karem Aircraft e a Pipistrel.

O passo da Hyundai para os céus também é uma chance da empresa aproveitar os avanços que obteve no mundo dos carros, sobretudo os elétricos. A fabricante sul-coreana é atualmente uma das mais avançadas no setor de automóveis híbridos e elétricos, com uma variada linha de opções.

Na parceria com a Uber, a Hyundai diz que vai produzir e implantar os veículos aéreos para o serviço de viagens compartilhadas da companhia dos EUA. A empresa sul-coreana, porém, ainda não determinou nenhum prazo para o voo inaugural de seu primeiro “carro voador”. O plano da empresa americana é iniciar os transportes aéreos em 2023.

“Nossa visão da mobilidade aérea urbana transformará o conceito de transporte urbano”, aposta Jaiwon Shin, vice-presidente executivo e chefe da nova divisão de mobilidade aérea urbana (UAM) da Hyundai. “Esperamos que a UAM vitalize as comunidades urbanas e forneça mais tempo às pessoas. Estamos confiantes de que o Uber Elevate é o parceiro certo para tornar este produto inovador prontamente disponível para o maior número possível de clientes.”

“A Hyundai é nosso primeiro parceiro com experiência na fabricação de automóveis de passageiros em escala global. Acreditamos que a Hyundai tem o potencial de construir veículos Uber Air a taxas nunca vistas na indústria aeroespacial atual, produzindo aeronaves confiáveis ​​e de alta qualidade em grandes volumes para reduzir os custos de passageiros por viagem. A combinação da força de fabricação da Hyundai com a plataforma tecnológica da Uber representa um grande passo em frente para o lançamento de uma rede de táxi aéreo vibrante nos próximos anos ”, disse Eric Allison, diretor da Uber Elevate.

Chamando um Hyundai voador da Uber…

Durante a preparação para CES 2020, a Hyundai trabalhou com a Uber para desenvolver o conceito PAV (Veículo Aéreo Pessoal), S-A1, uma aeronave para quatro passageiros e apresentada com motorização totalmente elétrica. Ao todo, o eVTOL coreano tem oito motores, incluindo alguns com dispositivos especiais que recolhem as hélices ou mudam a posição dos rotores na transição do voo vertical vertical para horizontal e vice-versa.

O modelo S-A1 da Hyundai apresentado no evento em Las Vegas é parecido com outros mocapes e conceitos revelados em anos anteriores, como os conceitos multimotores da Embraer e Karem Aircraft. Desde 2017, quando o projeto da Uber foi iniciado, até hoje apenas um protótipo da Boeing decolou, em 24 de janeiro de 2019.

Os primeiros voos comerciais da Uber devem começar em 2023. Será? (Uber)

A Hyundai afirma que seu táxi voador é projetado para voar a velocidade de cruzeiro de 290 km/h a uma altitude máxima de 600 metros acima do solo e em viagens de até 100 km. Esgotada as baterias, elas poderão ser recarregadas entre cinco e sete minutos, prevê a fabricante.

Já de olho nos próximos anos, a Hyundai diz que o modelo será introduzido no mercado inicialmente com pilotos no comando, mas com o tempo eles se tornarão autônomos.

Asas da Hyundai

Segundo maior conglomerado industrial da Coreia do Sul, a Hyundai está presente em diversos setores do mercado, desde a fabricação de automóveis e caminhões até a construção de navios e empreendimentos imobiliários. Não satisfeito, a nova aposta do grupo agora é ter asas.

A Asiana Airlines é um dos 15 operadores do Airbus A380 (Airbus)

Além do importante anúncio no projeto da Uber, a Hyundai vem negociando a compra da companhia aérea sul-coreana Asiana Airlines. O negócio, que ainda tem a participação da Daewoo, outra gigante industrial da Coreia do Sul, deve ser concluído até abril deste ano.

Sob nova direção (e com dinheiro), a Asiana que vinha de anos difíceis pode se tornar a maior companhia aérea da Coreia do Sul nos próximos anos, posto hoje da tradicional Korean Air.

Veja mais: MQ-9 Reaper, o drone que matou o general Soleimani