Índia quer treinador básico

Embraer Super Tucano

A Força Aérea Indiana está discutindo com a empresa nacional baseada em Bangalore, a Hindustan Aeronautics a configuração e parâmetros de performance para uma nova aeronave de treinamento básico que irá substituir o treinador movido a pistão HPT-32 Deepaks até 2014.
A HAL construiu o HPT-32 e o emprega desde 1984 e a proposta de substiuí-lo inclui uma nova aeronave equipada com cockpit com telas digitais além de head-up-display e assento ejetável.

Fontes da HAL disseram que a nova aeronave deve possuir a configuração de assentos em tandem, trem de pouso retrátil, teto operacional de 6.000m e velocidade máxima em vôo acima de 400km/h.

Total
0
Shares
1 comment
  1. O mercado para aerovaves de treinamento oferece várias oportunidades de diversos fabricantes. Más nos dias atuais os pensadores das forças aéreas ou marinhas do mundo afóra não querem apenas uma aeronave que eléve a capacidade operacional do piloto,más sim mais um sistema de armas que venha a preencher uma lacuna ou seja dar maiór capacidade a um bem articulado sistema de armas. Veja que neste aspecto o Embraer ALX léva vantagem em relação aos seus concorrentes pois foi uma aeronave primeiramente projetada para operações de contra insurgência ou seja ataque léve e como missão secundária o treinamento de elevação operacional.

    Podemos ver que o Super Tucano na sua concepção é mais uma aeronave de ataque do que um treinador e seus compradores também acreditam nesnte potencial. A aviônica no estado da arte,motorização mais do que confiável,carga de armamentos adequada e o mais importante ainda com grande potencial de crescimento.
    Bom,no caso da Índia os seus contratos de compra de aeronaves há muitos anos comtempla a trasferência de técnologia sendo que um pequeno lóte é construido pelo fabricante original da aeronave e as demais pela industria local como exemplo podemos citar a HAI. Os contratos de compra dos indianos geralmente são bem amplos na quantidade de aeronaves e como o a Embraer já está envolvida na venda de algumas platafórmas de alarme aéreo antecipado para este país acredito que as chances de um contrato ser fechado com o fabricante tupiniquim seja bem grande.
    Como sendo um complemento a um sistema de armas o ALX póde dar supórte em vários teatros operacionais como mais um exemplo podemos utilizar as missões C-SAR(busca e resgate em combate).

    Tiago Silva.

Comments are closed.

Previous Post

Equador compra Super Tucano

Next Post

Piloto de testes de F-22 morre

Related Posts