Mitsubishi vai congelar o desenvolvimento do jato regional SpaceJet, diz agência

Avião desenvolvido no Japão é o programa de aviação comercial mais atrasado do mundo
Mitsubishi SpaceJet M90
Ex-MRJ90, o SpaceJet M90 atrasou mais uma vez (Divulgação)
Mitsubishi SpaceJet M90
Ex-MRJ, o programa SpaceJet já foi adiado seis vezes no últimos sete anos (Divulgação)

O grupo japonês Mitsubishi Heavy Industries (MHI) planeja congelar por tempo indeterminado o desenvolvimento da família de jatos regionais SpaceJet, segundo duas fontes com conhecimento da decisão ouvidas pela agência Reuters.

Uma das fontes relatou a publicação que a decisão oficial da MHI em suspender o projeto será divulgada no próximo dia 30 de outubro junto com os planos de médio prazo do conglomerado. Porta-vozes do grupo japonês ainda não comentaram a informação.

Duramente abalada pela crise econômica influenciada pela pandemia do novo coronavírus, a MHI informou em maio que reduziria em mais da metade o orçamento anual para o projeto SpaceJet, desenvolvido pela unidade Mitsubishi Aircraft Corporation, no mais grave dos inúmeros reveses do programa que já foi adiado seis vezes. Na ocasião, a fabricante japonesa também anunciou o fechamento de sua instalação de testes nos EUA.

A despeito dos cortes, a MHI divulgou no primeiro semestre que continua comprometida com o projeto e que o financiamento do governo japonês promoveu uma oportunidade única para o país se estabelecer como uma nação fabricante de jatos comerciais.

O cronograma mais recente divulgado pela Mitsubishi previa a entrega do primeiro SpaceJet para março de 2022 à companhia aérea japonesa All Nippon Airways. Até o final de 2019, a empresa japonesa dizia ter 287 pedidos pelas aeronaves de empresas dos EUA, Japão e Suécia.

Mitsubishi Space Jet - All Nippon Airways
A companhia japonesa ANA será o primeiro cliente do SpaceJet, se um dia ele ficar pronto… (Divulgação)

Numerosos atrasos

O programa SpaceJet foi lançado originalmente em 2003 como o Mitsubishi Regional Jet (MRJ) com apoio do governo japonês que pretendia criar uma aeronave de passageiros nativa, algo que o país não possuía desde os anos 1960 quando foi lançado o turboélice NAMC YS-11 (conhecido no Brasil com o nome “Samurai”, operado pela VASP), mas que teve pouca adesão no mercado.

Desde então, a primeira versão, MRJ90 (atual M90), com capacidade para 90 passageiros, tem passado por inúmeros atrasos em seu desenvolvimento que culminaram com a revisão do projeto em 2019.

Além de mudar o nome da aeronave para SpaceJet, a Mitsubishi abandonou os planos para o MRJ70, um jato menor, para se concentrar no M100, que atenderia as cláusulas de escopo das companhias aéreas dos EUA, principal mercado do modelo.

O programa SpaceJet é atualmente o projeto de avião comercial mais atrasado do mundo, atrás até do jato chinês C919 da COMAC e o russo MC-21 da Irkut, que também acumulam uma série adiamentos. Os jatos japoneses competem na mesma categoria dos E-Jets da Embraer.

'Samurai' da VASP: após sua aposentadoria, em 1975, Electra reinou sozinho na ponte
O turboélice NAMC YS-11 foi o último avião comercial produzido no Japão

Referência nas indústria automobilística e de artigos eletrônicos, o Japão ainda tem extrema dificuldade para desenvolver e fabricar aviões de passageiros. O projeto mais recente do país nesse campo, o jato executivo HondaJet demorou quase 20 anos para ser concluído. Ao que tudo indica, o desenvolvimento do SpaceJet será ainda mais moroso.

Veja mais: Airbus entrega primeiro jato A220 “Made in USA”

Total
51
Shares
0 0 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Claudio Moreno
Claudio Moreno
1 ano atrás

Boa noite Senhores,

A Embraer agradece.
CM

Previous Post
Primeiro Airbus A220 produzido nos EUA

Airbus entrega primeiro jato A220 “Made in USA”

Next Post
Embraer Praetor 500

Venda de jatos executivos usados disparou nos EUA durante a pandemia

Related Posts