Um dos 18 737 MAX recebidos pela Norwegian Air antes do aterramento: cancelamento será mais um duro golpe para a Boeing (Anna Zvereva)

Acuada pela crise na aviação comercial causada pela pandemia do coronavírus, a Norwegian Air confirmou em declaração à bolsa de valores que cancelou os pedidos remanescentes para 92 aviões 737 MAX e cinco 787 Dreamliner com a Boeing.

A empresa afirma que está requisitando compensação financeira e também e a devolução de valores pagos em adiantamento de parte desses aviões, mas que ainda não chegou a um acordo com a airframer dos EUA.

A Norwegian Air alega que a falta de confiabilidade e disponibilidade das duas aeronaves causaram perdas significativas para ela, com períodos de manutenção não planejados e interrupções na sua operação.

De fato, os dois jatos passam por sérios problemas, o mais grave deles no 737 MAX, que está aterrado desde março de 2019 por deficiências em seu projeto. A Norwegian possui 18 unidades de uma encomenda total de 110 aeronaves, mas vários deles já estão prontos nos pátios e aeroportos da Boeing à espera da liberação para retorno ao serviço.

A situação dos 787 é menos complicada, por outro lado. Restam apenas cinco modelos 787-9 a serem entregues de um pedido total de 13 aviões. O Dreamliner, no entanto, sofre com problemas com o motor turbofan Rolls-Royce Trent 1000 há bastante tempo.

A base da frota da Norwegian é composta por 118 Boeing 737-800 (Divulgação)

Retomada dos voos na Europa

A Norwegian Air é uma das maiores e mais agressivas companhias aéreas low cost da Europa, com uma frota de 172 aviões da Boeing. base da malha é operada com o modelo 737-800, com 118 unidades.

A empresa, no entanto, contava com o 737 MAX para tornar sua operação mais econômica e versátil e chegou a colocar essas aeronaves em rotas transatlânticas antes da suspensão dos voos.

Com os 787, a Norwegian ampliou uma malha de longo alcance bastante grande sobretudo com voos para a América. PAra isso, arrendou várias aeronaves no mercado para completar a frota de modelos próprios – atualmente são 36 jatos Dreamliner.

A situação da companhia, que já era complicada antes da pandemia, se agravou a ponto de suspender quase todos os seus voos em abril. Apenas algumas ligações dentro da Noruega foram mantidas, mas em julho a Norwegian confirmou que voltará a voar para várias cidades na Europa.

Já as rotas de longa distância seguem suspensas a princípio até 2021. É esperado que a empresa anuncie também a redução da sua frota para se adequar à nova realidade do transporte aéreo de passageiros. Nesse cenário, ainda não se sabe qual será o destino dos 18 737 MAX já recebidos.

Boeing 787-9 da Norwegian: cinco unidades pendentes de entrega (NAS)

Veja também: Como esperado, Boeing 737 MAX realiza seus primeiros voos de certificação