A Norwegian Air tem 37 jatos 787 parados em sua frota (Eric Salard/CC)

A pandemia do coronavírus afetou praticamente todas as companhias aéreas no mundo, mas algumas empresas têm sentido o impacto na queda da demanda de passageiros de forma mais grave. Uma delas é a Norwegian Air, a outrora ousada companhia de baixo custo que até pouco tempo atrás voava para o Rio de Janeiro.

Em comunicado divulgado nesta segunda-feira, 9, a cúpula da empresa se disse desapontada com a informação de que o governo norueguês não fará mais aportes financeiros para ajudá-la a enfrentar sua crise.

“O fato de nosso governo ter decidido abster-se de fornecer mais apoio financeiro à Norwegian é muito decepcionante e parece um tapa na cara de todos que lutam pela empresa quando nossos concorrentes estão recebendo bilhões em financiamento de seus respectivos governos,” disse o CEO da Norwegian, Jacob Schram.

Apesar de afirmar que ainda possui algum caixa, a Norwegian projetou que pode ficar numa situação crítica no primeiro trimestre de 2021 caso não consiga assegurar novos empréstimos. Schram reconheceu que “precisamos de suporte ventilatório para passar o inverno”.

Frota de 787 armazenada

A Norwegian Air foi fundada em 1993 como uma pequena companhia aérea regional, mas quase uma década depois apostou na receita low cost para expandir sua atuação.

Nesta década, a companhia decidiu seguir um caminho arriscado, o de oferecer serviços mais acessíveis em rotas de longo curso. Para isso, encomendou e alugou diversos Boeing 787, que embora eficientes, têm um custo inicial elevado.

Como o tráfego aéreo de passageiros foi duramente afetado justamente nas rotas internacionais, a Norwegian se viu de uma hora para outra sem condições de operar seus 37 jatos Dreamliner.

Antes disso, a empresa também foi afetada pelos problemas técnicos da aeronave e teve de aterrar sua frota de 18 737 MAX, também por questões de segurança.

Voos para o Brasil

Desde o começo do semestre, a Norwegian Air busca ampliar sua malha de voos, mas apenas de média distância. Atualmente ela só utiliza pouco mais de 20 737-800, enquanto mantém parados mais de cem aviões. Ao mesmo tempo, companhias como a SAS e a húngara Wizz Air passaram a oferecer mais voos para destinos na Noruega, ampliando a competição com a low cost.

No Brasil, a Norwegian Air estreou em março de 2019 com voos entre Londres (Gatwick) e Rio de Janeiro, na esteira da estreia da divisão na Argentina anos antes. Mas ambos os serviços na América do Sul acabaram suspensos indefinidamente em meio à pandemia do novo coronavírus, no início deste ano.

O 737 MAX da Norwegian: 18 aeronaves estão paradas desde 2019 (Cork Airport)

Veja também: Gol planeja retorno do Boeing 737 MAX no próximo mês