Novo caça chinês J-35 é flagrado com esquema de pintura completo

Aeronave de combate fabricada pela Shenyang é projetada para operar em porta-aviões com catapultas de lançamento
O J-35 é o segundo caça de quinta geração projetado na China, depois do Chengdu J-20

O Shenyang J-35, o próximo caça de quinta geração da China, em desenvolvimento há mais de uma década, pode ser em breve oficialmente apresentado. É o que sugere o novo flagra da aeronave, que desta vez foi fotografada com esquema de pintura completo e o que parece ser o emblema na marinha chinesa, afinal trata-se de um avião naval.

O caça visto na imagem é uma evolução do protótipo FC-31, modelo que também é conhecido como “Guying” (pronúncia chinesa para Falcão-Gerifalte, uma espécie de falcão). Em outubro do ano passado, a aeronave já havia sido flagrada em voo, mas ainda ostentando a cobertura verde do primer na fuselagem.

Pelo menos dois detalhes entregam a potencial aplicação naval do novo jato chinês. O primeiro deles é a bequilha do trem de pouso com a barra de acoplamento em sistemas de catapulta de lançamento. O outro são as dobradiças nas pontas das asas, que podem dobrar e reduzir o espaço ocupado pelo caça a bordo de um porta-aviões.

Veja também:

Caça sul-coreano KF-21 Boramae completa primeiro voo

Aeronáutica abre 225 vagas para formação de sargentos

Há quem diga que o J-35 é um “clone chinês” do F-35 da Lockheed Martin (Reprodução)

A marinha da China, que possui duas embarcações baseadas na classe Kuznetsov, da Rússia, está construindo um novo porta-aviões conhecido como Type 003. Ele será o primeiro navio-aeródromo chinês equipado com catapultas de lançamento de aeronaves – os porta-aviões chineses anteriores usam o sistema ski-jump, no qual as aeronaves decolam com auxílio de uma rampa.

O sistema de catapultas, ao contrário do ski-jump, permite o lançamento de caças com maior peso de decolagem, incluindo mais armamentos ou combustível extra para missões mais longas – ou ambos. Essa configuração também abre espaço para a operação de aviões navais mais pesados, como aeronaves de controle aéreo e alerta antecipado e até mesmo utilitários, como acontece nos super porta-aviões dos EUA com os turboélices E-2 Hawkeye e o C-2 Greyhound.

Total
1
Shares
Previous Post

Aeronáutica abre 225 vagas para formação de sargentos

Next Post

Bombardeiro “invisível” B-21 Raider será revelado no final do ano

Related Posts
Total
1
Share