A FAB vai receber 36 caças Gripen E/F até meados de 2026 (SAAB)

Hoje o Brasil entrou oficialmente no mapa dos países que fabricam caças supersônicos. A Saab Aeronáutica Montagens (SAM), localizada em São Bernardo do Campo (SP), informou nesta terça-feira, 7 de julho, que iniciou a produção de componentes para o caça Gripen E. Inaugurada em maio de 2018, a instalação na região metropolitana de São Paulo é a primeira fábrica de aeroestruturas da Saab fora da Suécia.

Os componentes produzidos pela SAM serão entregues para a montagem final do caça nas fábricas da Embraer em Gavião Peixoto (SP) e em Linköping, na Suécia.

Os primeiros itens fabricados na instalação paulista são o cone de cauda e a fuselagem dianteira da versão monoposto (um assento) do Gripen E. Posteriormente, a unidade também será responsável pela produção dos freios aerodinâmicos, fuselagem traseira, caixão das asas e a fuselagem dianteira do modelo biposto (dois assentos) Gripen F.

“Essa fábrica é um motivo de grande orgulho para nós, brasileiros e suecos. Começamos do zero e agora alcançamos um grande marco”, afirma Marcelo Lima, diretor-geral da SAM.

Em 2014, a Saab assinou um contrato com o governo brasileiro para o desenvolvimento e produção de 36 aeronaves Gripen E/F. Em setembro do ano passado, a primeira aeronave brasileira Gripen E foi entregue para iniciar o programa de ensaios em voo. Esse mesmo avião deve chegar ao Brasil em outubro e dará continuidade aos testes com participação da Embraer e outras empresas brasileiras em parceria com a Força Aérea Brasileira (FAB).

“Esse é outro resultado da transferência de tecnologia do programa Gripen. Com base no treinamento prático e teórico de engenheiros e montadores brasileiros na Saab em Linköping, conseguimos estabelecer uma linha de produção altamente qualificada na SAM, seguindo os mesmos padrões que temos em nossa fábrica na Suécia”, diz Jonas Hjelm, diretor da área de negócios da Saab Aeronautics.

Atualmente, a SAM conta com mais de 70 funcionários, sendo que a metade já participou ou está participando do programa de transferência de tecnologia, na Suécia. Parte desses colaboradores concluiu o treinamento e voltou para iniciar a produção no Brasil. Até 2024, a unidade da Saab em São Bernardo do Campo contará com cerca de 200 empregados.

Segundo o cronograma da FAB, os primeiros caças operacionais serão entregues a partir de 2021. Por aqui, o avião sueco será designado como F-39E Gripen (e o modelo biposto, F-39F). Ao todo, a Aeronáutica encomendou 36 aeronaves, sendo 28 modelos monopostos e oito bipostos. O 1° Grupo de Defesa Aérea (1° GDA), baseado em Anápolis (GO) será o primeiro esquadrão brasileiro a voar com o novo jato de combate.

Gripen “Made in Brazil”

O Gripen NG "de verdade" chega ao Brasil em 2019 (FAB)

Vencedor do programa F-X2: o Gripen E disputou o contrato da FAB contra o Rafale e o F/A-18 (FAB)

Dos 36 caças encomendados pela FAB, 15 deles (oito modelos monopostos e sete bipostos) serão construídos integralmente no Brasil. O primeiro Gripen monoposto produzido no Brasil está programado para ser entregue à FAB em 2021 e os bipostos, a partir de 2023. O pedido deve ser concluído até meados de 2026.

A transferência de tecnologia para a construção do Gripen vai libertar o Brasil da necessidade de importar aviões de combate avançados. Com esse conhecimento adquirido, a indústria nacional será capaz de desenvolver seus próprios caças supersônicos para substituir os Gripen da FAB no futuro, algo que deve começar a partir da década de 2040.

Veja mais: Saab testa canhão do Gripen E