Sem fazer alarde, FedEx aposentou seu último cargueiro MD-10

Clássico trijato da McDonnell Douglas voou com a empresa de transporte logístico por 42 anos
Os últimos MD-10 em serviço com a FedEx têm em média 40 anos (André Du-pont/Creative Commons)
A FedEx operou 77 trijatos DC-10/MD-10 entre 1980 e 2022 (André Du-pont/Creative Commons)

Não teve festa, nem homenagem ou qualquer outro tipo de celebração. Em 31 de dezembro de 2022, a companhia aérea cargueira FedEx, dos EUA, retirou de serviço seu último trijato McDonnell Douglas MD-10, aeronave que serviu na empresa de transporte logístico por 42 anos.

Em 2021, num informe a investidores, a companhia já havia confirmado que iria retirar de operação a frota de MD-10 até o fim do ano fiscal de 2022 nos EUA. A empresa não se pronunciou sobre a aposentadoria recente da aeronave.

A FedEx recebeu os primeiros MD-10 em 1980 e operou um total de 77 aeronaves do tipo, segundo dados do Airfleets. No passado, o avião tinha outro nome: era o DC-10. A mudança aconteceu em 1996, quando a McDonnell Douglas (absorvida pela Boeing em 1997) lançou a versão modernizada MD-10 com os mesmos sistemas do MD-11, um dos jatos comerciais mais avançados da década de 1990.

Embora fosse um dos aviões menos eficientes da companhia, o MD-10 ainda esbanjava uma capacidade notória de carga. A aeronave comporta uma carga útil de 65 toneladas e tem autonomia de 3.700 km. Outra variante operada pela FedEx, o MD-10-30F era ainda mais impressionante: transportava 82 toneladas com autonomia de voo próxima dos 7.000 km.

Ave rara

O DC-10 voou no Brasil com as companhias aéreas Varig e VASP (JetPix -Wikimedia Commons)
O DC-10 voou no Brasil com as companhias aéreas Varig e VASP (JetPix -Wikimedia Commons)

Um tipo de avião cada vez mais raro nos aeroportos, os trijatos logo devem entrar em extinção. Um dos modelos mais icônicos dessa categoria, o DC-10/MD-10 é um dos poucos de sua espécie que ainda sobrevive no mercado, bem como o clássico Boeing 727.

Com a retirada dos aparelhos da FedEx, a companhia TAB Cargo, da Bolívia, agora é o único operador comercial da aeronave, com um único exemplar da variante MD-10-30 em serviço.

MD-10-30F da empresa boliviana TAB Cargo (divulgação)

Outros operadores do trijato são as forças aéreas dos EUA e da Holanda. Os americanos, no entanto, já começaram a desativar seus KC-10 Extender, versão militar adaptada para missões de reabastecimento aéreo (REVO). O modelo derivado do DC-10 é até hoje o “avião-tanque” com maior capacidade operado nos EUA, capaz de transportar 165.561 kg de combustível.

Até pouco tempo, o MD-10 servia em missões variadas. A empresa 10 Tanker Air Carrier desativou em 2020 os últimos modelos adaptados para combater incêndios. A Omega Air também aposentou recentemente o último KC-10 civil do mundo, usado em missões REVO com clientes militares, assim como o trijato da fundação Orbis International, que serviu como hospital móvel até 2022.

KC-10 Extender da USAF abastecendo um caça F-22; frota está sendo desativada gradualmente (USAF)

 

Total
0
Shares
1 comment
  1. Para um variguiano vai ser sempre um DC10 .. mas entendemos a designação nova..
    Infelizmente ele se vai .. superado pela tecnologia.. da mesma forma que o superconstelation se foi um dia. Para quem voou nele, cockpit ou não, ficam as boas memórias… realmente era muito mais emocionante voar esse avião, ser tripulante técnico dele, do que seus substitutos. Mas também eram mais perigosos…
    Excelente matéria… abs

Comments are closed.

Previous Post

Tecnologia do futuro: Rússia testa uso de tanques criogênicos externos em aviões leves

Next Post

A320neo e Falcon 10X vão concorrer para futuro avião de patrulha marítima da França

Related Posts
Total
0
Share