Socorro governamental será inevitável para impedir o colapso do setor aéreo, alerta especialista

Vice-presidente do Teal Group afirma que intervenção governamental é essencial para companhias aéreas manterem o fôlego durante a crise do coronavírus
(Reprodução/Twitter)
Com aviões parados e voos cancelados, a receita das empresas aéreas está caindo rapidamente (Reprodução/Twitter)

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) está levando o mercado de transporte aéreo no mundo todo a uma crise sem precedentes. Com a redução dramática na demanda de passageiros e uma série de restrições de acesso em diversos países para evitar mais contágios do Covid-19, companhias aéreas estão perdendo rapidamente suas receitas ao parar a maior parte de seus aviões e cortar voos domésticos e internacionais.

Os fabricantes de aeronaves também têm sentido o impacto causado pelo vírus. A Airbus e a Boeing pararam ou reduziram o trabalho em suas linhas de montagem, reforçado pelo fato que muitos de seus operadores estão solicitando a postergação da entrega de aviões. Clientes da Embraer também estão adiando o recebimento de aeronaves.

Para Richard Aboulafia, vice-presidente do Teal Group, grupo que edita o World Military and Civil Aircraft Briefing, uma ferramenta de previsão e análise da indústria aeroespacial, a intervenção governamental será inevitável para conferir fôlego às empresas aéreas durante o período de crise.

O consultor também afirmou ao Airway que agora é o momento de discutir a assistência governamental e garantias sobre empréstimos para os fabricantes. Em sua avaliação, ninguém sabe ainda o tamanho do estrago que a pandemia do coronavírus poderá acarretar sobre o setor aéreo. Confira entrevista abaixo:

Richard Aboulafia, vice-presidente do Teal Group

Quais medidas devem ser adotadas para que as companhias aéreas sobrevivam à tormenta causada pelo covid-19?

É claro que, em muitos casos, serão necessários auxílios estatais para impedir o colapso do setor aéreo. As companhias simplesmente não podem reduzir a capacidade e aterrar os aviões com rapidez suficiente para acompanhar o colapso do tráfego, e as perdas resultantes serão desastrosas. Certamente existem companhias aéreas marginais que devem entrar em colapso – a Itália tem sido paciente demais com a Alitalia, para citar um exemplo -, de modo que os governos precisarão se concentrar nas companhias que tem chances de sobreviver. Em resumo, para muitos países, isso se tornará uma decisão de política industrial.

Acredita, por exemplo, num movimento de fusões e aquisições?

No momento, o movimento de fusões entre companhias aéreas não é a estratégia mais adequada, pelo simples motivo de serem circunstâncias excepcionais. Não se pode estruturar um setor com base em circunstâncias excepcionais.

Há alguma estimativa da Teal Group acerca do impacto do Covid-19 sobre as encomendas de aeronaves comerciais? No pior dos cenários, o que pode acontecer com a aviação comercial?

Os pedidos já entraram em colapso e a Boeing teve mais cancelamentos do que novos pedidos no ano passado. A Airbus só se saiu melhor por causa do A321neo – outros jatos receberam poucos pedidos, se houver algum pedido. Esperamos que os pedidos da indústria fiquem em um patamar baixo este ano. Entregas são outra história. As aeronaves de corredor duplo cairão de 25 a 30%. Os aviões de corredor individual, no entanto, podem permanecer estáveis – no entanto, se o preço do combustível persistir no padrão atual de queda, os novos jatos de corredor único parecerão muito menos atraentes para as companhias aéreas e a demanda cairá.

Como avalia o impacto da crise sobre os grandes fabricantes como a Boeing? A companhia já atravessa a crise do 737 MAX, sofreu uma queda de 14% em suas ações na última semana e está prestes a fechar o acordo com a Embraer…

É claro que aqueles com negócios de defesa de maior valor terão algum grau de isolamento da crise. O que é preocupante é que as companhias aéreas são vistas como possíveis, e até provavelmente, beneficiárias de ajuda governamental, mas ninguém falou sobre qualquer tipo de assistência, nem mesmo garantias sobre empréstimos, para fabricantes. Cabe destacar também o efeito devastador para a cadeia de suprimentos.

Veja mais: Joint venture entre Boeing e Embraer é ameaçada pela crise do coronavírus

 

 

Total
17
Shares
Previous Post

Consultoria sugere que governos europeus comprem até 600 jatos da Airbus para mantê-la funcionando

Next Post
Airbus A380 da Air France (foto: divulgação)

Coronavírus pode encurtar ainda mais carreira do Airbus A380

Related Posts