Acidentes bizarros: dois turboélices Embraer Brasilia sofrem problemas no mesmo aeroporto e dia na Tanzânia

Aeronaves da Unity Air Zanzibar se acidentaram no campo de aviação de Kikoboga em um intervalo de horas. Não houve vítimas
O primeiro Brasilia acidentado e no fundo o segundo (Reprodução)

Uma situação bizarra ocorreu no campo de aviação de Kikoboga , na Tanzânia, na terça-feira, 28 de novembro. Num intervalo de horas dois turboélices Embraer EMB 120 Brasilia operados pela Unity Air Zanzibar sofreram acidentes no local.

Por volta das 3h40, o EMB 120 de matrícula 5H-MJH teve um problema técnico durante o pouso na pista, localizada em Parque Nacional Mikumi. A aeronave parou em uma área fora da pista, com o trem de pouso direito colapsado e asa e motor afetados. Não houve feridos graves entre os 33 ocupantes.

Siga o AIRWAY nas redes: Facebook | LinkedIn | Youtube | Instagram | Twitter

Mais tarde, às 21h30 (horário local), outro turboélice Brasilia, de matrícula 5H-FLM, associado à Sindbard Air (mas também operado pela Unity Air), se chocou de leve com uma edificação no mesma pista e teve o trem de pouso do nariz colapsado.

Assim como no primeiro acidente, os 30 passageiros e quatro tripulantes saíram ilesos. Imagens de vídeos mostram as duas aeronaves avariadas a algumas dezenas de metros uma da outra.

O turboélice Brasilia é uma aeronave regional que foi produzida pela Embraer entre 1983 e 2001, com 357 unidades concluídas. O modelo foi bastante utilizado em voos regionais nos Estados Unidos, mas acabou substituído mais tarde por turboélices maiores e jatos.

A aeronave resvalou em um pequeno edifício durante a decolagem frustrada (Reprodução)

O EMB 120 de matrícula 5H-MJH foi concluído em 2001 e é da versão QC, que pode ser convertida rapidamente para o transporte de carga. Ele voava no Brasil pela Vale e uma empresa de táxi aéreo até julho deste ano, quando foi adquirido pela Unity Air Zanzibar.

A aeronave 5H-FLM é mais antiga, tendo entrado em serviço em 1996 nos Estados Unidos com a SkyWest Airlines. O avião bimotor passou a voar na Tanzânia em 2017.

Total
0
Shares
1 comment
  1. seria legal uma reportagem sobre como esses aviões são levados d rum continente parando outro, nesse caso o Brasília que estava no Brasil e foi pra África, acredito que eles não tenham autonomia para cruzar o atlântico.

Comments are closed.

Previous Post

Porter Airlines amplia encomenda de E195-E2 em 25 aeronaves

Next Post

Airbus irá preparar 15 caças Eurofighter Typhoon para guerra eletrônica

Related Posts
Total
0
Share