A Latam Airlines é uma das companhias que já encomendaram o A350-1000 (Airbus)

Com a descontinuação do A380 em 2021, o A350-1000 será o maior avião da Airbus (Airbus)

A agência reguladora de aviação civil da União Europeia (EASA) deu sinal verde neste mês para a Airbus aumentar a capacidade de passageiros do A350-1000, o maior modelo da família A350 XWB. Com a permissão, a fabricante pode acrescentar mais 40 assentos na aeronave, alcançando a acomodação máxima de 480 ocupantes.

A autorização foi concedida pela EASA após a Airbus apresentar um novo conceito de saídas de emergência, que ela chama de “A+”, com um escorregador de evacuação de pista dupla, além de melhorias na parte de iluminação e um novo sinal sobre as saídas.

Essas soluções também são sugeridas pela fabricante para aumentar a capacidade do A330-900neo, que poderia receber até 460 assentos – 20 poltronas a mais que a configuração máxima atual.

A instalação das portas A+ permite acomodar 120 ocupantes por saída de emergência, enquanto as saídas do tipo “A” comportam 110. Regulamentos aeronáuticos exigem que o tempo de evacuação de passageiros em qualquer avião comercial não pode passar de 90 segundos, seja ele um pequeno jato E190 da Embraer ou um gigante Airbus A380.

A EASA também se mostrou aberta para autorizar versões do A350-1000 com capacidade entre 460 e 470 passageiros se houver menos saídas do tipo A+ – o A350 conta com oito saídas de emergência distribuídas pela cabine.

Escorregadores com pista dupla vão permitir aumentar a capacidade do A350 (EASA)

A agência europeia, no entanto, afirma que a introdução das novas portas exige um número mínimo de tripulantes de cabine se a capacidade da aeronaves exceder 400 passageiros. Sendo assim, um terceiro tripulante deve estar posicionado em cada saída A+ no caso de uma emergência, enquanto as postas do tipo A exigem o auxilio de dois profissionais.

Elevar o número de assentos do A350-1000 pode aumentar ainda mais sua competitividade perante o novo Boeing 777X, que deve estrear em meados de 2021. O jato da fabricante norte-americana, na versão 777-9, é projetado para receber até 426 passageiros em duas classes.

Veja mais: Projeto “secreto” da Boeing, FSA pode originar sucessor do 737 MAX