Antonov agora admite parceria com Canadá para produção do jato An-74 modernizado

Fabricante ucraniano havia negado artigo publicado por jornal canadense, que revelou as negociações com a província de Québec em torno de um projeto conjunto
Antonov An-74TK-200 (Colin Cooke Photo)

Semanas após afirmar que os rumores sobre uma parceria com Canadá eram falsos, a Antonov admitiu que está sim em negociações com o governo de Québec para o desenvolvimento de uma aeronave civil em parceria.

Os detalhes das negociações foram revelados pelo jornal Le Devoir no começo de julho, mas negados pela empresa ucraniana. No entanto, a empresa agora reconheceu que ocorreram negociações com um parceiro canadense para viabilizar a produção de uma variante modernizada do An-74TK-200, uma aeronave multimissão dos tempos da União Soviética.

Segundo a Antonov, foi apresentada uma proposta para a Ukroboronprom, estatal ucraniana que controla a empresa, e o governo do país e que foi incluída num Memorando de Entendimento assinado com o governo do Canadá em junho.

A aeronave modernizada deverá receber vários aprimoramentos com o objetivo de substituir componentes de origem russa assim como os motores e aviônicos. A produção do An-74 retrofitado seria feita no Canadá e na Ucrânia para vendas internas e exportações.

Segundo o Le Devoir, o representante da fabricante ucraniana teria criado a Antonov Aircraft Canada no início do ano, já pavimentando o caminho para o acordo.

O encerramento da produção de várias aeronaves no Canadá pode ajudar o projeto (Bombardier)

Aeronave STOL

O possível joint venture entre a província de Québec, onde ficam as principais instalações aeronáuticas do Canadá, e a Ucrânia, apresenta um potencial interessante. Isso porque o fim dos programas CRJ e do turboélice Dash 8 (suspenso por ora) deixou uma enorme capacidade produtiva ociosa.

O An-74, por sua vez, é uma aeronave com características reconhecidas de operação em pistas curtas (STOL) e despreparadas e em climas adversos. Porém, trata-se de um projeto bastante obsoleto.

A configuração de motores sobre as asas para aproveitar o efeito COANDA resultou numa velocidade de cruzeiro pouco superior a de alguns turboélices e sua capacidade não chega a impressionar – são apenas 10 toneladas de carga ou 52 passageiros.

Uma variante para voos regionais poderia até aproveitar a enorme demanda na América do Norte, atualmente atendida apenas por um modelo, o Embraer E175, mas seria preciso que o An-74 fosse alongado para comportar mais passageiros, por exemplo.

A crise que vive a Antonov após o rompimento das relações da Ucrânia com a Rússia (até então sua principal cliente) deixou a fabricante numa situação bastante delicada. Por essa razão, não será tão fácil encontrar um caminho que a torne uma empresa lucrativa.

Total
199
Shares
1 1 vote
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Roger Muscope
Roger Muscope
1 mês atrás

A Embraer deveria lançar uma versão civil do cargueiro militar 390 milenium.

Previous Post

Airbus confirma A350 cargueiro, que deve estrear em 2025

Next Post

Primeiro tiltrotor AW609 de produção será concluído até o final do ano

Related Posts