Avião da Azul vai à Índia buscar vacinas contra a Covid-19

Carga com imunizante produzido pela Astrazeneca/Oxford chegará ao Brasil no próximo sábado (16)
Airbus A330-900neo - Azul Linhas Aéreas
Airbus A330-900neo – Azul Linhas Aéreas (Airbus)

Decola amanhã do Recife (PE) o Airbus A330-900neo da companhia aérea Azul rumo a Mumbai, na Índia, para buscar a carga de 15 toneladas contendo dois milhões de doses de vacinas contra a Covid-19.

Segundo a companhia, a decolagem da aeronave está programada para às 23h da quinta-feira (14). Serão 15 horas de voo sem escala, em um trajeto com mais de 12.000 km. Esta será a viagem mais longa já realizada por um avião da Azul.

O retorno, também em voo direto, está marcado para o sábado (16). A carga de vacinas será desembarcada no Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro (RJ), onde o jato deve pousar por volta das 15h.

A Azul informou que o A330neo escalado para a operação será equipado com contêineres especiais para garantir o controle de temperatura da carga de acordo com as recomendações da Astrazeneca/Oxford, fabricante do imunizante adquirido pelo Governo Federal.

“No que depender da Azul, 2021 será o ano em que venceremos a pandemia. Temos orgulho em realizar esse voo inédito para a Índia que trará mais um sopro de esperança na cura para a Covid-19 e agradecemos a confiança do Governo Federal na capacidade logística da Azul Cargo. Estamos preparando nossa aeronave para trazer essas doses que, com a aprovação das autoridades sanitárias, serão distribuídas posteriormente para todas as regiões do Brasil. A Azul, a empresa com a maior malha aérea do país, está empenhada e à disposição das autoridades para distribuir essa e todas as outras vacinas aprovadas”, destacou John Rodgerson, presidente da Azul.

Veja mais: Congo Airways encomenda dois jatos Embraer E195-E2

Total
43
Shares
Previous Post
Imagem conceitual do veículo eVTOL da startup Archer Aviation (Archer)

Fiat Chrysler se une à startup Archer para construir “táxis voadores”

Next Post
Drone Falcão da extinta Harpia, joint venture da Embraer com a AEL Sistemas e a Avibras

Embraer pode entrar no ramo de drones militares

Related Posts