Balas de armas de fogo são mais rápidas do que aviões a jato?

Resposta para essa pergunta varia de acordo com a aeronave e arma que dispara o projétil

Em uma corrida imaginária, quem seria mais rápido: um avião a jato ou uma bala de arma de fogo? A resposta para essa pergunta varia de acordo com a aeronave e o armamento que dispara o projétil.

A maioria dos jatos comerciais voa na faixa dos 800 km/h e alguns poucos modelos podem passar de 900 km/h ou 1.000 km/h. É o caso do Boeing 747, que pode voar a velocidade máxima de 1.136 km/h, embora raramente opere nesse ritmo por questões de economia de combustível. Sendo assim, o clássico Jumbo com motores em aceleração total pode ser mais veloz que um projétil disparado de um revólver calibre 38, que na saída do cano atinge cerca de 1.040 km/h.

Mas vencer uma bala de revólver é fácil. Se a disputa for contra um projétil de fuzil, não existe hoje no mundo uma aeronave capaz de alcançá-lo.

Projeteis disparados por fuzis AR-15 ou Remington podem passar dos 3.500 km/h, superando a velocidade máxima de qualquer avião, mesmo o caça supersônico mais rápido da atualidade, o MiG-31 “Foxhound” com sua incrível capacidade de voar a 2.990 km/h. Mas no passado isso já foi diferente.

Avião mais rápido de todos os tempos, o lendário jato-espião norte-americano Lockheed SR-71 Blackbird conseguiu alcançar a velocidade máxima de 3.868 km/h. Essa marca foi alcançada nos últimos anos de carreira da aeronave, em 6 de março de 1990 – os últimos aparelhos foram desativados pela força aérea dos EUA em 1998.

Aposentado em 1998, o SR-71 detém até hoje o título de avião mais rápido do mundo - voava a 3.540 km/h (USAF)
Mais rápido que uma bala: o avião-espião podia passar dos 3.500 km/h (USAF)

Em suma, então, projéteis disparados por fuzis são mais rápidos do que todos os jatos do mundo, exceto o avião mais rápido da história.

Indo mais além nessa corrida, podemos citar a velocidade de balas disparadas por canhões elétricos, um novo tipo de armamento que não é bem uma “arma de fogo”. Também conhecidos como “Railguns” ou “canhão eletromagnético”, essa arma ainda em fase de testes utiliza eletricidade para acelerar um projétil ao longo de um par de trilhos metálicos a mais de 7.000 km/h, ou sete vezes a velocidade do som.

Novo conceito de armamento: a Marinha dos EUA é pioneira em testes com “Railguns” (US Navy)

Para alcançar tal velocidade, os projéteis de canhões elétricos precisam ser construídos com materiais extremamente resistentes, como urânio empobrecido, caso contrário se desintegrariam com o atrito do ar.

Ainda assim, voltando novamente ao passado, já existiu uma aeronave que poderia rivalizar com uma bala de canhão elétrico. Estamos falando do North American X-15, protótipo hipersônico desenvolvido nos anos 1960 que assombrou o mundo da aviação com uma série de recordes de velocidade, sendo o maior deles a marca de 7.274 km/h registrada em 3 de outubro de 1967.

O X-15 foi testado entre 1962 e 1968; a velocidade máxima alcançada foi de 7.274 km/h (NASA)
O X-15 não era um jato, mas sim um foguete; podia voar a mais de 7.000 km/h (NASA)

O X-15, porém, não eram impulsionado por motores a jato, mas sim por foguetes. Não só isso, seu modo de operação era mais parecido com o de um míssil do que o de uma aeronave convencional. O aparelho não decolava por conta própria. Em vez disso, era lançado em voo por bombardeiros B-52 adaptados.

Fonte: Quora

Veja mais: Conheça os aviões mais rápidos de todos os tempos

Total
69
Shares
0 0 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vlamir Bueno
Vlamir Bueno
1 ano atrás

Comparando o SR-71 com o projétil de rifle mais rápido do mundo, o rifle calibre .220 Swift ganha, pois chega a 4.320 km/h.

Previous Post

Perdendo € 1 milhão por hora, Lufthansa pede ajuda financeira para sobreviver

Next Post

Boeing teria desistido de assumir 80% da divisão de aviões comerciais da Embraer