BNDES deve intermediar aporte de R$ 5,5 bilhões para a Embraer

Investimento pode envolver de empréstimos a aquisição de papéis que seriam convertidos em ações. Pacote pode tornar governo seu maior acionista
Protótipo do novo jato regional Embraer E190-E2 (Embraer)
Protótipo do novo jato regional Embraer E190-E2 (Embraer)
(Embraer)
BNDES pode ampliar participação na Embraer (Embraer)

O BNDES está negociando com a Embraer uma ajuda financeira estimada em US$ 1 bilhão (cerca de R$ 5,5 bilhões) após a empresa ver sua parceria com a Boeing fracassar. A informação foi revelada pelo Valor Econômico e confirmada pela empresa a outros meios de comunicação.

Segundo relatos, o investimento na fabricante será feito por meio da emissão de títulos que poderiam ser convertidos em ações. Com isso, seria possível captar dinheiro de outros bancos privados e empresas interessadas.

O socorro financeiro, no entanto, pode fazer com que o banco detenha 21% do capital da Embraer contra 5,4% atualmente – as ações são da BNDESpar, o braço que administra a participação do banco em empresas. Se isso de fato ocorrer será o caminho inverso ao adotado em 1994 quando a fabricante foi privatizada. A possibilidade incomodaria o governo Bolsonaro, que possui uma agenda liberal capitaneada pelo Ministro da Economia, Paulo Guedes, mas que é confrontado com a crise econômica provocada pela pandemia do Covid-19.

Nos resultados apresentados pela Embraer recentemente, a empresa acumulou um prejuízo significativo causado pelo processo de separação da divisão comercial, que seria comprada pela Boeing por um valor de US$ 4,2 bilhões (cerca de R$ 23 bilhões) – a Embraer permaneceria com 20% de participação nessa nova empresa.

Apesar do pedido de ajuda, a Embraer tem buscado mostrar ao mercado e a seus investidores que mantém boa saúde financeira. Numa conferência com consultorias de investimentos na semana passada, o CEO da fabricante, Francisco Gomes Neto, afirmou que a empresa pretende economizar US$ 1 bilhão em 2020 e que tem poucas dívidas vencendo até 2022.

O executivo, no entanto, reconheceu que 2020 será um ano duro, embora esteja otimista com os próximos dois anos. Quando questionado sobre a necessidade de dinheiro para tocar o negócio, Gomes Neto respondeu que prevê “cerca de US$ 2 bilhões. Nosso capital de giro para todo o negócio varia de US$ 500 a 700 milhões por ano”.

Poucas encomendas

A Embraer tem experimentado uma considerável redução no número de pedidos pendentes de aviões comerciais nos últimos anos. Embora as divisões de defesa, serviços e aviação executiva tenham uma participação importante, a linha de E-Jets é de longe seu maior patrimônio e que estava sendo repassada na joint venture com a Boeing.

A esperança da empresa brasileira era a de ganhar mercado com a ajuda do parceiro dos EUA, inclusive por oferecer condições de financiamento mais atraentes aos seus clientes. Com o fim da parceria, agora a Embraer pode voltar a contar com o BNDES para ter linhas de empréstimos com juros baixos que possam tornar seus aviões mais acessíveis.

Antes de mais nada, será preciso também que o mercado reaja e que a eficiência da família E2 (E175-E2, E190-E2 e E195-E2) seja suficiente para convencer possíveis compradores.

A apresentação do EMB 120 Brasilia em julho de 1983
A apresentação do EMB 120 Brasilia em julho de 1983: tempos em que a Embraer era estatal

Veja também: E se os chineses comprarem a Embraer?

Total
188
Shares
0 0 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
V.Silva
V.Silva
1 ano atrás

Estado mínimo! Privatiza tudo! Depois o “mercado” regula a economia. Balela! Quando a coisa fica ruim, correm atrás do dinheiro público

Previous Post

Embraer Brasília é abatido por engano na Somália

Next Post

Tom Cruise quer gravar o primeiro filme no espaço com Elon Musk

Related Posts