Boeing 777 supera 747 e torna-se o widebody mais popular da história

Birreator atingiu a marca de 1.545 unidades entregues em março, uma a mais que o famoso “Jumbo”
Boeing 777-300ER da United: companhia americana foi a primeira operadora e recebeu a aeronave do recorde (Divulgação)
Boeing 777-300ER da United: companhia americana foi a primeira operadora e recebeu a aeronave do recorde (Divulgação)

Menos conhecido que seu irmão maior e mais velho, o Boeing 777 acaba de roubar um título do 747, o famoso “Jumbo”. O birreator é o jato de fuselagem larga (widebody) mais popular da história. A marca foi obtida no final de março quando a 1.545ª unidade (um 777-300ER) foi entregue à United Airlines, marcando o fim do reinado do gigante de dois andares.

É um número e tanto afinal o “triple seven“, como chamam o jato na aviação, é um avião relativamente novo, que está prestes a completar 23 anos em serviço (primeiro voo comercial justamente com a United em junho de 1995). Nesse mesmo período, o 747 acumulava 628 entregas apenas, ou seja, 40% do desempenho do 777.

No entanto, o ápice de entregas do 777 ocorreu entre 2013 e 2016 quando quase 100 unidades foram completadas por ano. Desde então, a produção está numa leve queda, que deve ser revertida quando a nova geração do jato, o 777X, entrar em produção.

Difícil apontar uma razão exclusiva para o sucesso do 777. O jato nasceu não apenas como resposta ao avanço da Airbus e seus birreatores mas também como uma alternativa aos beberrões trirreatores e quadrirreatores como o próprio 747. Ele se diferenciou por oferecer uma fuselagem quase tão larga quanto a do 747, mas equipada com dois enormes turbofans sem igual na época.

Sua cabine de passageiros trazia um aproveitamento superior e compartimentos de bagagens com um mecanismo que ampliava a sensação de espaço a bordo. Embora com aviônicos avançados, o jato da Boeing ainda mantinha os controles tradicionais em vez do sistema "fly-by-wire" da rival.

O Boeing 777-200 deu origem a versão de longo alcance (LR) e também de maior capacidade, o 777-300, que na configuração ER é usada pela Latam no Brasil (única operadora do jato no país). Ela responde por metade das entregas até hoje.

Guerra pela coroa

Com a nova série 777X, a Boeing quer atrair companhias que precisam de uma aeronave com maior capacidade de passageiros, autonomia e economia. Por essa razão, o novo jato terá asas de desenho avançado e que incluem um curioso sistema de pontas dobráveis. Será proporcionalmente mais leve e agradável de voar, como o 787 - a estreia está marcada para o final de 2020.

Até lá, o 777 terá na cola outro birreator, nesse caso, da Airbus. O A330 é hoje o mais forte candidato a disputar a liderança em produção de widebodies na aviação. Até o momento, ele acumula 1.398 entregas, mas tem quase 300 encomendas no catálogo, boa parte da nova versão A330neo.

Outro que promete acabar com a liderança do 777 é justamente o 787. A Boeing já tinha 1.318 encomendas do modelo, 670 das quais entregue. O que mais impressiona nele é o ritmo de produção de quase 140 unidades por ano, portanto, superior aos melhores dias do "triple seven". A guerra pela coroa de "rainha dos céus", como os americanos apelidaram o 747, está em aberto.

Veja também: Frota de A380 supera a do Boeing 747

Total
1
Shares
1 comment
  1. Vejam que na foto do seu lançamento, entre os nomes de diversos operadores, encontra-se a Transbrasil…

Comments are closed.

Previous Post
O grupo American Airlines já encomendou 74 jatos Embraer E175 (Divulgação)

Embraer anuncia venda de mais 15 jatos E175 para American Airlines

Next Post
Os Tucanos da FAB são usados no treinamento de novos pilotos na AFA, em Pirassununga - SP (FAB)

FAB inicia processo para modernizar Tucanos

Related Posts