Boeing teria oferecido 40 jatos 737 MAX para a Delta

Aeronaves, chamadas de ‘cauda branca’, por terem sido fabricadas antes do cancelamento dos pedidos de seus clientes originais, são o novo problema da fabricante dos EUA
Boeing 737 Max 7
O 737 MAX 7 N201S, usado nos testes: três dias de voos com o FAA (pjs2005)
Segundo a Reuters, a Boeing tenta oferecer 40 jatos 737 MAX para a Delta, única grande dos EUA que não o encomendou até hoje (pjs2005)

Perto de ter o 737 MAX de volta aos voos comerciais, a Boeing se vê diante de um novo dilema: o que fazer com centenas de aviões já fabricados, mas cuja compra foi cancelada pelos clientes originais?

Segundo a Reuters, a solução tem sido oferecer essas aeronaves, apelidadas de ‘white tail’ (cauda branca por conta da ausência de pintura), para algumas companhias aéreas. Uma delas é a Delta Air Lines, que teria recebido uma proposta para receber nada menos que 40 jatos 737 MAX.

A hipótese já havia sido comentada quando surgiram rumores de que a Boeing poderia aceitar os 717-200 usados pela Delta como parte de um acordo para assumir pedidos do 737 MAX, mas sem que essas aeronaves fossem entregues tão cedo.

Delta não é cliente do 737 MAX

Na semana passada, no entanto, a Delta revelou que pretende manter o 717 (um MD-95) em serviço até 2025. Outro problema é que a companhia aérea tem preferido aviões da Airbus, que mesmo assim terão as entregas postergadas por conta da queda na demanda de passageiros.

A Delta é a única das três grandes companhias dos EUA a não ter encomendado o MAX e fontes no mercado creem que aceitar esse acordo proposto pela Boeing seria “uma surpresa”.

Enquanto tenta encontrar compradores para parte dos 460 aviões fabricados e armazenados nos EUA, a Boeing conta os dias para receber a recertificação de tipo do 737 MAX.

“Eu gosto do que vi”

Nesta quarta-feira, 30, o chefe da FAA, Steve Dickson, cumpriu a promessa de pilotar a aeronave. O executivo, que é piloto comercial, afirmou que “gostou do que viu” e que se sentiu confortável a bordo do jato. “Fiz dois pousos e também algumas manobras aéreas durante cerca de 2 horas”, disse.

Dickson, no entanto, fez questão de lembrar que sua experiência de voo não tem qualquer relação com o processo de aprovação, que só ocorrerá quando a agência estiver convencida de que o avião é seguro. A Boeing espera que isso ocorra ainda neste trimestre.

A Delta tem preferido os jatos da Airbus ao 737 (Airbus)

Veja também: Organizações de pilotos e engenheiros pedem por mais segurança no 737 MAX

Total
19
Shares
Previous Post
KC-130J do USMC após o pouso de emergência

Caça F-35B cai nos EUA após colidir em voo com um Hercules

Next Post

TAP adia renovação da sua frota de aviões Airbus

Related Posts