(Luciano Motta/Fonte Certa)

Um caça-bombardeiro AF-1 Falcão da Força Aeronaval da Marinha do Brasil foi transformado em monumento. A aeronave foi instalada no pier da orla da Logoa de Araruama, em São Pedro de Aldeia (RJ), nessa última terça-feira, 4, segundo informações do portal Fonte Certa.

De acordo com a publicação, a inauguração do monumento está programada para o dia 23 de agosto. O contra-almirante Paulo Renato Rohwer Santos, comandante da Força Aeronaval de São Pedro da Aldeia, onde fica baseado o 1.º Esquadrão de Aviões de Interceptação e Ataque (VF-1), disse que o monumento com a aeronave simboliza a união da Marinha com a cidade.

“A aviação naval veio para cá em 1961, vai fazer 60 anos em 2021 e nós temos muito orgulho de ser a única base aérea naval do Brasil. O caça é a nossa aeronave de maior performance, que vem simbolizar essa ligação que a aviação naval, com muito orgulho, tem com a cidade e vice-versa. Então vai ser um ponto turístico, sem dúvida, a cidade vai ficar cada vez mais conhecida como sendo a morada da aviação naval, a única no Brasil”, celebrou Rohwer.

AF-1 Falcão é a designação da marinha brasileira para o caças navais McDonnell Douglas A-4KU Skyhawk II, um projeto consagrado e provado em combate, mas já bem antigo – a primeira versão da aeronave foi desenvolvida no início da década de 1950. Os jatos em serviço no Brasil foram comprados em 1997 da força aérea do Kuwait para operarem a bordo do porta-aviões São Paulo, desativado em 2018. Ao todo, foram adquiridas 23 aeronaves.

Parte da frota dos AF-1 vem sendo modernizados desde 2009, quando a Marinha formalizou a escolha da Embraer para realizar o projeto AF-1M. O planejamento original previa a atualização de 12 caças (nove AF-1B e três AF-1C, para dois pilotos), mas por falta de verbas o número de aviões contemplados no processo foi reduzido para apenas seis exemplares. A primeira aeronave atualizada foi entregue em 2015 e o último modelo deve ser finalizado até o final deste ano.

Caças AF-1 estacionados no convés de voo do NAe São Paulo (MB)

Caças AF-1 estacionados no convés de voo do porta-aviões NAe São Paulo, descomissionado em 2018 (MB)

Os caças AF-1 da Marinha modernizados no Brasil são considerados os A-4 Skyhawk mais avançados do mundo. O programa de atualização da aeronave inclui a substituição de antigos equipamentos de navegação e comunicação por recursos mais avançados, além da revitalização estrutural para prolongar a utilização dos jatos por aproximadamente mais 10 anos.

Avião naval sem porta-aviões…

Apesar do processo de modernização da Embraer, os AF-1 dificilmente devem voltar a pousar ou serem lançados a partir de um porta-aviões brasileiro. A Marinha, que em 2018 incorporou o porta-helicópteros PHM Atlântico, ainda mantém o sonho de ter um navio-aeródromo.

O NAe São Paulo é o quinto maior porta-aviões já construído na história, com 266 metros de comprimento (MB)

O NAe São Paulo teve uma carreira curta no Brasil e ficou marcado por uma série de problemas (MB)

No entanto, a embarcação pretendida, descrita no Programa de Obtenção de Navios-Aeródromos (Pronae), não deve ficar pronta a tempo de ainda poder aproveitar a vida útil dos AF-1 modernizados, se o projeto de fato for adiante.

Veja mais: Mitsubishi vai atualizar frota de caças F-15 do Japão