Descartado pela força aérea, o FC-31 agora é apontado como uma solução para a marinha chinesa (Weibo)

Uma aeronave que há muito tempo não aparecia no noticiário aeronáutico militar ganhou as manchetes neste semana. Trata-se do caça furtivo chinês FC-31 Gyrfalcon, que foi flagrado recentemente durante um suposto voo de teste na China. A imagem do jato de quinta geração apareceu na rede social chinesa Weibo e logo foi reproduzido ao redor do mundo.

A foto que circula pela internet sugere que o caça passou por uma série de modificações, incluindo um novo canopi e melhorias aerodinâmicas. No entanto, o avião parece ter mantido os antigos motores WS-13 como os usados nos primeiros protótipos, que derivam de um design soviético da década de 1970 e são vistos por analistas do Ocidente como uma limitação no jato chinês.

O FC-31 é o segundo caça furtivo desenvolvido na China, depois do Chengdu J-20, e tem semelhanças notáveis com o Lockheed Martin F-35 Lightning II.

O FC-31 é o equivalente chinês ao norte-americano F-35 Lightning II (USAF)

O jato chinês é projetado pela Shenyang Aircraft Corporation, umas das fabricantes controladas pelo grupo estatal chinês AVIC, que é focado principalmente na aviação militar – enquanto a COMAC aborda a área de aviação comercial. A primeira versão do Gyrfalcon fez seu voo inaugural em 31 de outubro de 2012.

Novo rumo para o FC-31

Na esperança e competir com o norte-americano F-35 de atrair compradores estrangeiros, a AVIC apresentou o FC-31 em shows aéreos na China e enviou comitivas para eventos no exterior. No entanto, nenhuma força militar se interessou pelo avião. Até a força aérea da China recusou o caça.

No entanto, o progresso recente do FC-31 indica que seu foco de atuação agora pode ser a aviação naval, segundo o jornal South China Morning Post, de Hong Kong.

FC-31 decolando para uma apresentação no Zhuhai Air Show de 2014 (WC)

Por ser mais leve e menor que o J-20, o FC-31 pode ser uma opção mais apropriada para o uso embarcado na próxima geração de porta-aviões da marinha chinesa, que deverão ter sistemas de lançamento de aeronaves por catapultas. Seguindo essa tendência, o modelo pode competir com o F-35C, versão do caça americano concebida para navios aeródromos CATOBAR (com catapultas).

Evoluindo para uma versão naval, o FC-31 pode substituir os caças Shenyang J-15 (versão chinesa e não autorizada do Sukhoi Su-33), hoje o único jato de combate em serviço nos porta-aviões chineses.

FC-31 versus F-35

O FC-31 tem especificações amplamente semelhantes às do F-35. O jato chinês tem um peso máximo de decolagem em torno de 25 toneladas, alcance de combate de 1.200 km e velocidade máxima de Mach 1.8 (2.205 km/h). Como comparação, o modelo americano pesa entre 27 e 32 ton, tem autonomia de 2.200 km e alcança até Mach 1.6 (1.975 km/h). A carga útil de armamentos dos dois caça também são equivalentes: cerca de 8 toneladas.

Veja mais: Caças Rafale entram em serviço com a força aérea da Índia