Companhia da Indonésia será o primeiro cliente estrangeiro do jato chinês ARJ21

TransNusa da Indonésia pode receber até 60 jatos ARJ21-700 da fabricante chinesa COMAC
O jato regional da Comac tem alcance de 2.200 km (Chengdu Airlines)
O jato regional da Comac tem alcance de 2.200 km (Chengdu Airlines)

A desconhecida companhia aérea TransNusa, da Indonésia, será o primeiro operador estrangeiro do jato de passageiros ARJ21 da fabricante chinesa COMAC. A encomenda inicial de 30 aeronaves, no entanto, não partiu diretamente da empresa indonésia.

Os aviões serão propriedades da China Aircraft Leasing (CALC), de Hong Kong, que confirmou o pedido nesta sexta-feira (8). A empresa de leasing de aeronaves tem uma participação acionária de 49% na TransNusa, que por sua vez alugará os jatos chineses.

Em comunicado divulgado na bolsa de valores de Hong Kong, a CALC informou que as aeronaves serão entregues à TransNusa “em estágios” até 2026, mas não revelou uma data sobre a entrega do primeiro exemplar. O contrato ainda inclui opção de compra de 30 jatos ARJ21 adicionais.

Anteriormente, em dezembro de 2019, CALC havia assinado um acordo de cooperação estratégica com a TransNusa para “impulsionar a próxima fase de crescimento e expansão” da companhia aérea. Acrescentou que o negócio ajudaria a empresa indonésia a “aumentar sua capacidade de fornecer serviços de transporte aéreo de excelência”.

A incorporação dos 30 jatos ARJ21 a TransNusa pode aumentar seus negócios de forma significativa. A empresa fundada em 2005 opera atualmente uma frota com sete turboélices ATR 72-600 e um ATR 42-500 em voos domésticos e um jato BAe 146-100, que realiza o única rota internacional da empresa, para Timor Leste.

ARJ21 avança, mas só na China

COMAC ARJ21-700 - China Express Airlines
Jato chinês ARJ21 da China Express: empresa pode comprar até 50 aeronaves  (Xinhua)

O ARJ21-700 é a primeira experiência bem-sucedida dos chineses em construir um jato comercial. O avião foi projetado a partir de uma “receita pronta”, o McDonnell Douglas MD-80/MD-90, com uma adição de atualizações desenvolvidas localmente pela COMAC. Proposto para voos regionais, o jato chinês tem capacidade para embarcar entre 78 e 90 passageiros e tem alcance de até 3.700 km.

No ano passado, a COMAC teve seu primeiro desempenho de entregas expressivo, com um saldo de 24 jatos ARJ21 enviados aos clientes, todos eles empresas aéreas da China. Com esse resultado, a fabricante estatal chegou a 46 exemplares entregues de seu primeiro jato de passageiros, que atende o mercado chinês desde 2016.

A fabricante chinesa informa em seu site (sem diferenciar pedidos firmes e opções de compra) que tem 616 encomendas de 23 empresas aéreas pelo ARJ21. Próximo produto da COMAC, o C919 soma ainda mais pedidos: 815 aviões para 28 companhias. Esse primeiro grupo de compradores é formado por uma maioria esmagadora de clientes chineses, com algumas raras exceções na África e na Ásia.

A grande vantagem da COMAC em relação aos demais fabricantes do Ocidente é ter o governo chinês como sócio. Facilitando ainda mais o caminho dos jatos comerciais “Made in China”, o estado também controla a maioria das companhias aéreas chinesas e nos próximos anos, por orientação do governo comunista e sem dar chances aos concorrentes, as frotas dessas empresas podem ser renovadas e ampliadas com aeronaves produzidas localmente.

Veja mais: “Congelado”, jato regional SpaceJet perde mais um cliente

Total
1
Shares
Previous Post
Super Tucano - Força Aérea da Nigéria

EUA entregarão 12 aeronaves Super Tucano à Nigéria este ano

Next Post
Primeiro Airbus A220 produzido nos EUA

Entregas de aviões comerciais da Airbus caíram 34% em 2020

Related Posts
Total
1
Share