O rival japonês da família E-Jet da Embraer acumulou mais uma derrota em seu conturbado programa de desenvolvimento. O SpaceJet, jato regional da Mitsubishi Aircraft teve uma encomenda de 10 unidades (mais 10 opções) da Aerolease Aviation cancelada em 31 de dezembro, anunciou a fabricante japonesa nesta sexta-feira (08).

A empresa de leasing dos EUA havia assinado um contrato com MHI em 2016, quando o jato ainda era chamado de MRJ (Mitsubishi Regional Jet), mas a decisão de congelar o programa, tomada pela fabricante japonesa no ano passado, tornou a manutenção do acordo original inviável.

“Está claro para nós que o mercado precisa dessa aeronave e isso cria uma oportunidade única. Embora nosso acordo com a Mitsubishi Aircraft tenha terminado no final de 2020, desejamos sucesso à equipe em eventualmente reiniciar o programa o mais rápido possível e continuamos interessados em retomar o relacionamento com eles quando isso acontecer”, afirmou Jep Thornton, Sócio-Diretor da Aerolease Aviation.

As duas empresas deixaram em aberto uma futura retomada do acordo assim que o desenvolvimento da aeronave for reiniciado.

Crise financeira

A Mitsubishi Heavy Industries, que controla a divisão de aviação, decidiu pausar temporariamente o desenvolvimento do jato M90, que estava em testes de certificação até 2020. Com grandes prejuízos no grupo, piorados pela pandemia, a MHI optou por congelar o programa no planejamento dos próximos três anos.

A empresa diz que manterá algumas atividades de certificação, porém, teria decidido demitir 95% do staff da Mitsubishi Aircraft a partir de abril. Segundo a Flight Global, o SpaceJet possui 153 pedidos firmes e 114 opções de compra, a maior parte de companhias aéreas japonesas.

Jato SpaceJet M90: empresa Aerolease tinha pedido de 10 aviões (MHI)

Veja também: Avião produzido na Indonésia recebe certificação