De mal com a Rússia, ucraniana Antonov busca parceiros na Turquia

Fabricante da Ucrânia busca cooperação com parceiros turcos, incluindo a produção conjunta de aeronaves
(Julian Herzog – Wikimedia Commons)
O cargueiro militar An-178 foi oferecido para a Turquia (Julian Herzog – Wikimedia Commons)

Executivos da fabricante ucraniana Antonov, incluindo o recém-nomeado presidente da companhia, Oleksandr Los, desembarcaram nesta semana na Turquia para discutir acordos de defesa com empresas turcas, incluindo a produção conjunta de aeronaves.

Pelo Twitter, o embaixador da Ucrânia na Turquia, Andrii Sybiha, disse que a cooperação entre os dois países podem abranger soluções “do subsolo ao céu”. O representante ucraniano ainda afirmou que a visita da delegação da Antonov ao país no Oriente Médio foi o “primeiro passo formal” para os dois países fabricarem aviões em parceria e citou o novo cargueiro militar An-178 como opção.

“A aeronave An-178 com características únicas é um projeto promissor para muitos parceiros internacionais”, escreveu Sybiha na rede social. O An-178 é uma aeronave militar de transporte de curto e médio alcance, desenvolvido a partir do An-158. Segundo dados da Antonov, a aeronave pode transportar 99 soldados, 80 pára-quedistas ou evacuar 70 doentes e feridos.

Em entrevista à emissora CNN Türk, o ministro de relações exteriores ucraniano, Dmytro Kuleba, afirmou que a Ucrânia e a Turquia “querem começar projetos mais ousados. Projetos em que as tecnologias turca e ucraniana sejam usadas juntas. Esses serão projetos competitivos no sentido global”.

“Passos para a defesa e produção conjunta de aeronaves Antonov foram esclarecidos durante a reunião e outra delegação da empresa é esperada (na Turquia) na próxima semana”, acrescentou Kuleba.

Aproveitando a reunião com os ucranianos, os turcos discutiram possíveis colaborações entre os dois países para produzir o drone de combate mais avançado da Turquia, o Bayraktar Akıncı, e outros veículos aéreos militares não tripulados fabricados pela indústria local.

O drone Bayraktar Akıncı ainda está em fase de desenvolvimento, mas já apresenta boas credenciais (Divulgação)

Em 2019, a Ucrânia comprou seis drones de reconhecimento e ataque produzidos na Turquia para equipar seu exército. Os aparelhos devem ser entregues entre o final deste ano e início de 2021. O país do leste europeu ainda negocia com os turcos a aquisição de um segundo lote de aeronaves de ataque não tripuladas.

A Turquia vive um grande momento de avanços na área de tecnologia militar, desenvolvendo seus próprios meios de defesa. O principal expoente dessa nova fase no país é o caça furtivo TF-X, projetado pela Turkish Aerospace e que tem seu voo inaugural programado para 2023, ano em que a república turca completa 100 anos.

Sem apoio da Rússia

A Antonov tem ligações tão fortes com a antiga União Soviética que muita gente pensa que a fabricante é russa e não ucraniana. A companhia foi fundada na Ucrânia, em 1942, época em que o país era uma das repúblicas soviéticas. No entanto, a amizade com os russos virou algo do passado.

Desde que a Rússia anexou a região da Crimeia em 2014, a Ucrânia vem se afastando gradativamente de Moscou. Um dos maiores afetados nessa história foi justamente a Antonov, que dependia fortemente de fornecedores russos para produzir suas aeronaves – cerca de 60% dos componentes dos aviões da Antonov eram importados da Rússia.

A Antonov é especialista em produzir aviões gigantes, como o An-225 e o An-124 (Divulgação)

Sem o fornecimento de peças fabricadas na Rússia, banidos pelo governo ucraniano, a Antonov praticamente paralisou suas atividades de produção nos últimos anos. Em 2018, a fabricante conseguiu repor parte dessa necessidade ao assinar um acordo com a Aviall, divisão de serviços da Boeing e passou a receber componentes fabricados nos Estados Unidos, Canadá, Israel e Europa, algo que no passado seria considerado um sacrilégio contra a “mãe Rússia”.

Em maio deste ano, o embaixador ucraniano nos EUA, Volodymyr Yelchenko, revelou que a Antonov estava discutindo a possibilidade de formar uma joint venture com a Boeing para produzir grandes aeronaves de carga.

“Acredito que o futuro de Antonov e de toda a indústria aeronáutica ucraniana depende muito da cooperação com a Boeing, consentida e apoiada politicamente por Washington”, disse o embaixador ucraniano na época.

Veja mais: Suíça vai decidir compra de novos caças em referendo popular

Total
20
Shares
Previous Post

Suíça vai decidir compra de novos caças em referendo popular

Next Post

Fokker já tentou converter jato regional para pousar em porta-aviões

Related Posts