E195-E2 da Azul é homologado para operar em Congonhas e Santos Dumont

Maior aeronave de passageiros da Embraer está configurado com 136 assentos e deve estrear nos dois aeroportos centrais das maiores cidades brasileiras
Embraer E195-E2 da Azul (Alexandro Dias/CC)

A Azul anunciou na tarde desta quarta-feira, 04, que obteve a certificação da ANAC para operar o jato E195-E2 nos aeroportos de Congonhas, em São Paulo, e Santos Dumont, no Rio de Janeiro.

A aeronave comercial é a maior já fabricada pela Embraer e está configurada para levar até 136 passageiros na companhia aérea brasileira.

Segundo a Azul, o trabalho de certificação levou seis meses para atender aos requisitos específicos que envolvem a operação nos dois aeroportos, cujas pistas e a localização urbana tornam seu uso mais restrito.

“Obter mais esta certificação é uma conquista de grande valor para o nosso negócio. Conseguimos mostrar para a ANAC as muitas semelhanças de operação do Embraer E1 e E2, o que nos ajudará a realizar um treinamento simples, mas extremamente eficaz, com os pilotos que já voam esta aeronave”, disse Guilherme Holtmann, gerente geral de Flight Standards e Treinamento da Azul. 

A Azul, no entanto, não anunciou quando o E195-E2 estreará em Congonhas ou Santos Dumont. Mas revelou que o próximo passo será obter autorização para adotar o procedimento RNP-AR 0.1 no aeroporto carioca.

Aeroporto Santos Dumont (Diego Baravelli)

Esse padrão, já homologado para os Airbus A320neo da empresa, permite aproximações em cenários climáticos desfavoráveis. É possível que as aeronaves mantenham a descida até a uma altura de 300 pés (cerca de 91 metros) mesmo sob condições adversas. Em situações normais, esse limite é bem mais alto, de 950 pés (290 metros).

A Azul já recebeu nove jatos E195-E2, sendo a companhia aérea lançadora da aeronave. O primeiro desses aviões entrou em serviço em outubro de 2019.

Total
443
Shares
Previous Post

Novo helicóptero da USAF, Boeing MH-139A atrasará

Next Post
Boeing 737 MAX 7

Boeing inicia ofensiva para aprovar retorno do 737 MAX ao serviço na China

Related Posts