Embraer encerra produção de aviões na China

Após 13 anos, empresa brasileira encerra joint-venture com fabricantes chineses
A Embraer já produziu o jatos Legacy 650 e o ERJ-145 na China (Divulgação)
A Embraer já produziu o jatos Legacy 650 e o ERJ-145 na China (Divulgação)
A Embraer já produziu o jatos Legacy 650 e o ERJ-145 na China (Divulgação)
A Embraer já produziu o jatos Legacy 650 e o ERJ-145 na China (Divulgação)

A Embraer anunciou nesta quarta-feira (1) o fim da parceria com as subsidiárias do grupo chinês Avic para produção de jatos executivos. A empresa brasileira produzia o Legacy 650 na China por meio da joint-venture Harbin Embraer Aircraft Industry (HEAI), do qual também faziam parte as fabricantes Harbin Aviation Industry e a Harbin Hafei Aviation Industry.

A parceria entre as empresas foi iniciada em 2003 e a última aeronave fabricada na China, um Legacy 650, ocorreu em março deste ano. A mesma unidade, localizada na cidade de Harbin, também já produziu o jato comercial ERJ-145 (modelo no qual é Legacy é baseado).

“A Embraer permanece totalmente comprometida e vai continuar a atender os mercados chineses de aeronaves comerciais e executivas”, afirmou a fabricante. Atualmente, 166 aeronaves da empresa (fabricadas no Brasil e na China) operam na China.

Embraer “Made in USA”

A Embraer também fabrica aviões nos Estados Unidos. A empresa brasileira produz em Melbourne, na Florida, os jatos executivos Legacy 450, Legacy 500 e os dois modelos da série Phenom. Já o modelo militar Super Tucano é montado nos EUA, na planta em Jacksonville, no mesmo estado.

No Brasil, as linhas de montagem da Embraer ficam no estado de São Paulo, nas cidades de São José dos Campos, onde são produzidas aeronaves de uso comercial e executivo, e Gavião Peixoto, responsável pelos modelos de aplicação militar. A empresa ainda conta a subsidiária Neiva, em Botucatu (SP), onde é fabricado o avião-agrícola Ipanema.

Veja mais: Embraer apresenta Legacy 500 em Londres

Total
16
Shares
0 0 votes
Article Rating
6 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Alex
Alex
5 anos atrás

Qual foi o motivo do fim a join venture? Os chineses com sua engenharia reversa, agora que não precisam mais da Embraer, montarão sua própria empresa civil?

João Carlos
João Carlos
5 anos atrás

Não existe subsidiária Neiva mais amigo. A antiga Neiva virou Embraer em definitivo em 2006.

Bruno
Bruno
5 anos atrás

Pois é… Faltou apurar e informar o motivo do fim da parceria. Informação ficou incompleta e assim, a matéria deixa a desejar.

Fernando
Fernando
5 anos atrás

Não existe mais subsidiária porque os chineses agora terão sua própria indústria de aeronaves comerciais – cujo modus operandi foi aparentemente usurpado da Embraer – e com a qual rivalizarão com a brasileira. Capitalism at its finest!

JB
JB
5 anos atrás

KKKKK AVIAO BRASILEIRO SENDO FEITO NA CHINA. TEM PIADA MAIS ENGRACADA QUE ESTA? DOIS PAISES DE BOSTA UM E O MAIS CORRUPTO DO MUNDO O OUTRO SO CONSEGUE PRODUCIR 3 COISAS. COMIDA CONTAMINADA, PRODUCTOS PIRATAS E GENTE DESONESTA, TEM QUE TERMINAR MESMO, SALVE-SE QUEM PUDER. Nao sei qual dos dois e o pior k k k

Geraldo Santos
Geraldo Santos
5 anos atrás

– JB – Se o Brasil é uma bosta, deve ser por ter gente como você, infeliz!

Previous Post
Em 2015, a TAM "esqueceu" uma criança de sete anos em GRU (Divulgação)

LATAM lança serviço para monitorar crianças que viajam sozinhas

Next Post
Nunca se fabricou tantos aviões como durante a Segunda Guerra Mundial

As aeronaves mais produzidas na história da aviação

Related Posts