Espólio da Fokker vai parar nas mãos de empresa que planeja relançar seus jatos

Empresa PANTA Holdings adquiriu divisões de serviços e engenharia que sobreviveram após a falência da fabricante holandesa. Companhia também controla a startup NAC que desenvolve uma versão atualizada do Fokker 100
Fokker 100 da Alliance, cuja manutenção é feita pela Fokker Services (GKN)

A empresa GKN Aerospace anunciou nesta quarta-feira, 31, a venda das empresas Fokker Services e Fokker Techniek para a PANTA Holdings por valores não revelados. As duas empresas são parte do espólio da famosa fabricante holandesa, falida em 1996.

O grupo de investimento, que atua na aviação há tempos, também é o maior acionista da AvCorp, uma fornecedora de componentes estruturais, e da Netherlands Aircraft Corporation (NAC), antiga Rekkof, uma startup criada para lançar versões atualizadas dos jatos da Fokker.

Segundo o comunicado, as companhias continuarão a oferecer serviços de manutenção e suporte não apenas de aviões da Fokker como de outros fabricantes, continuando a “investir em inovações tecnológicas, processos avançados e excelência em engenharia para desempenhar um papel de liderança no mercado de reposição aeroespacial”.

As empresas também anunciaram seus novos executivos, Roland van Dijk e Menzo van der Beek.

Jatos da Fokker de volta?

Ao recolocar sob um mesmo teto vários antigos ativos da Fokker, o acordo cria uma expectativa para um provável relançamento da produção dos aviões regionais, que tiveram boa aceitação entre os anos 60 e 90.

Quando faliu há 25 anos, a Fokker acabou desmembrada, o que deu origem ao grupo Stork, responsável pelas divisões de aeroestruturas, trem de pouso, engenharia e manutenção. Mais tarde a empresa alterou seu nome para Fokker Technologies e até hoje presta serviços para a frota de aeronaves da centenária companhia holandesa.

Fokker 130, uma versão modernizada do jato holandês, é um projeto tocado pela nova dona das empresas

Na mesma época, outra iniciativa mais ambiciosa tinha a intenção de reiniciar a produção dos modelos Fokker 70 e Fokker 100, a Rekkof (Fokker escrito de trás para frente). Anos depois, a companhia mudou seu nome para Netherlands Aircraft Corporation e desde então planeja lançar o Fokker 130, uma versão maior e atualizada do jato regional com capacidade para 130 assentos e alcance de 3.700 km.

Reforça esse cenário o fato de a NAC possuir todo o ferramental de produção dos aviões da Fokker enquanto as duas empresas recém adquiridas compartilham enorme conhecimento técnico, além de diversos clientes no mundo como a australiana Alliance Airlines.

Curiosamente, a Fokker Services está sediada onde um dia funcionou a antiga fabricante, atualmente um parque logístico ao lado do aeroporto de Schipol, em Amsterdã.

Total
46
Shares
Previous Post
O NAe São Paulo podia transportar uma combinação de até 40 aviões e helicópteros (Foto - Marinha do Brasil)

Almirante turco sugere transformar o NAe São Paulo em navio de treinamento

Next Post
P-8 da Marinha dos EUA lançando um torpedo de busca submarina (US Navy)

Marinha dos EUA encomenda mais 11 aeronaves Boeing P-8A por US$ 1,6 bilhão

Related Posts