Almirante turco sugere transformar o NAe São Paulo em navio de treinamento

Porta-aviões descomissionado da Marinha do Brasil foi arrematada recentemente para ser desmontada na Turquia
O NAe São Paulo podia transportar uma combinação de até 40 aviões e helicópteros (Foto - Marinha do Brasil)
O NAe São Paulo podia transportar uma combinação de até 40 aviões e helicópteros (Marinha do Brasil)

Próximo de deixar o litoral brasileiro e seguir para um estaleiro de reciclagem na Turquia, o antigo porta-aviões NAe São Paulo da Marinha do Brasil chamou a atenção do alto escalão naval turco.

Em vez de despedaçar o navio e vender suas partes como sucata, o contra-almirante Mustafa Cihat Yayci, ex-comandante da Marinha do Turquia, sugeriu “reequipá-lo para treinar os tripulantes dos futuros porta-aviões turcos” e que tal ação “economizaria tempo” na implantação desse tipo de embarcação no país, em entrevista ao jornal turco Aydinlik.

“Devemos definitivamente equipá-lo com diferentes sistemas que sejam válidos para nosso uso e iniciar o treinamento de pessoal de porta-aviões. É muito importante que o treinamento do pessoal do porta-aviões tenha sido iniciado hoje. Uma boa formação e conhecimento são necessários. Portanto, esses movimentos vão nos poupar tempo”, afirmou o oficial turco.

O contra-almirante Mustafa disse que a idade avançada do São Paulo, que completa 58 anos em 2021, não seria um empecilho no emprego do navio para funções de treinamento.

“Está não é uma questão muito importante. É necessário pensar nisso como um material de treinamento da forma de um quebra-cabeça, para desmontar, usar e vestir. O que é importante neste ponto é treinar o pessoal militar nesta plataforma, para ganhar hábito e experiência. Nas marinhas, são preparadas simulações de modo a proporcionar ‘treinamento virtual’, ou seja, treinamento visual, ao pessoal que trabalhará na cabine de comando”, disse o contra-almirante.

Caças AF-1 estacionados no convés de voo do NAe São Paulo (MB)
Caças AF-1 alinhados no convés de voo do NAe São Paulo (Marinha do Brasil)

Continuando sua explanação, o almirante turco ainda sugeriu utilizar o convés de voo do porta-aviões brasileiro para testar sistemas de aeronaves não tripuladas e até caças russos Sukhoi Su-33, cotados para as forças armadas da Turquia. “Em suma, tornar o navio utilizável para treinamento em estado ocioso aumentará nosso conhecimento técnico.”

A Marinha da Turquia planeja construir um porta-aviões até o fim desta década. Por hora, a força naval turca opera o navio de assalto anfíbio TCG Anadolu, que pode ser empregado como porta-aviões leve e receber caças de pouso e decolagem vertical.

Apesar do entusiasmo nas palavras do almirante turco em relação ao destino do NAe São Paulo, a proposta que ele sugere dificilmente deve ir adiante. Além do enorme esforço para recuperar o barco, a Marinha da Turquia teria de negociar o barco com o Brasil e a França, que construiu o porta-aviões (ex-Foch) nos anos 1950 e tem a palavra final sobre a sua destinação.

NAe São Paulo parado na Ilha das Cobras, onde ficou durante boa parte de sua carreira no Brasil (Alexandre Galante/Poder Naval)
NAe São Paulo atracado na Ilha das Cobras, onde ficou grande parte de sua carreira no Brasil (Alexandre Galante)

Como o Airway adiantou em primeira mão, o porta-aviões São Paulo foi arrematado por R$ 10,5 milhões na primeira quinzena de março. A Marinha do Brasil ainda não se pronunciou sobre a venda do navio-aeródromo.

Conforme apuramos, o “casco” do porta-aviões foi adquirida pela empresa fluminense Cormack Marítima, que participou do leilão representando o estaleiro turco Sok Denizcilikve Tic. Segundo os termos da Marinha do Brasil sobre a alienação do barco, o comprador deve se comprometer a desmontá-lo de forma segura e ambientalmente adequada.

Maior navio de guerra do Brasil


Maior embarcação militar que serviu com a bandeira brasileira, o navio-aeródromo São Paulo chegou às mãos da Marinha no ano 2000, comprado da França por US$ 12 milhões durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. O navio foi o substituto do NAeL Minas Gerais, que operou no Brasil entre 1960 e 2001.

Quando ainda estava ativo, o São Paulo era o porta-aviões mais antigo do mundo em operação. A embarcação foi lançada ao mar em 1960 e serviu com a marinha da França com o nome FS Foch, de 1963 até 2000. Sob a identidade francesa, o navio de 32,8 mil toneladas e 265 metros de comprimento atuou em frentes de combate na África, Oriente Médio e na Europa.

NAe São Paulo quando ainda era o "FS Foch", navegando com a marinha da França (Domínio Público)
NAe São Paulo quando ainda era o “FS Foch”, navegando com a marinha da França (Domínio Público)

Com a Marinha do Brasil, no entanto, a embarcação teve uma carreira curta e bastante conturbada, marcada por uma série de problemas mecânicos e acidentes. Por esses percalços, o navio passou mais tempo parado do que navegando. Em fevereiro de 2017, após desistir de atualizar o porta-aviões, o comando naval decidiu desativar o NAe São Paulo em definitivo.

Segundo dados da marinha brasileira, o São Paulo permaneceu um total de 206 dias no mar, navegou por 54.024,6 milhas (85.334 km) e realizou 566 catapultagens de aeronaves. A principal aeronave operada na embarcação foi o caça naval AF-1, designação nacional para o McDonnell Douglas A-4 Skyhawk, hoje operados a partir de bases terrestres.

Total
141
Shares
1 comment
  1. O São Paulo podia ser transformado em porta-helicópteros, já que não precisa das catapultas e já possui um elevador que aguente o peso dos helicópteros.

Comments are closed.

Previous Post

Marinha do Brasil cria seu primeiro esquadrão de aeronaves não tripuladas

Next Post

Espólio da Fokker vai parar nas mãos de empresa que planeja relançar seus jatos

Related Posts