Marca do grupo Leonardo: os helicópteros da AgustaWestland estão entre os mais avançados do mundo (Alan)

O grupo italiano Leonardo vai instalar uma fábrica em Itapevi, a menos de 40 km de São Paulo. A notícia foi confirmada pelo prefeito da cidade, Igor Soares (Podemos – SP), na última terça-feira (4).

“O segundo maior grupo industrial da Itália, que atua nas áreas de aeronáutica, helicópteros, espaço e sistemas de segurança terá unidade de montagem em nossa cidade”, declarou o prefeito de Itapevi pelas redes sociais.

“Serão montados e realizados serviços de manutenção em helicópteros da marca AgustaWestland. Mais investimento, oportunidade de emprego e receita para o município”, continuou Igor Soares. Segundo o prefeito, o grupo italiano “escolheu Itapevi pela localização e pela lei de incentivo que implantamos”.

No final do ano passado, entrou em vigor no município paulista um programa de incentivo para desenvolver a região, o “Desenvolve Itapevi”. A proposta consiste na concessão de incentivos fiscais às empresas industriais e de prestação de serviços.

A companhia italiana ainda não confirmou a instalação de uma fábrica em Itapevi.

Mais negócios da Leonardo no Brasil

Na próxima quarta-feira (12) será realizada cerimônia de formalização da joint venture entre a Companhia de Desenvolvimento de Maricá (Codemar) e a Leonardo. O evento vai marcar o início de uma nova companhia “voltada para a execução de projetos na área de aviação e segurança” baseada em Maricá, na região metropolitana do Rio de Janeiro, segundo os termos do acordo.

A Codemar terá 49% de participação do empreendimento e o grupo Leonardo, 51%. “A assinatura desse pré-contrato é de uma relevância gigantesca para o município. A Leonardo é uma das maiores companhias da Europa em tecnologia de segurança e a maior empresa de helicópteros do mundo e ter escolhido Maricá para instalar sua operação na América Latina é de uma grandiosidade incalculável”, disse José Orlando Dias, presidente da Codermar, depois de assinar o acordo com o grupo italiano em agosto passado.

Um modelo Westland Super Lynx da Marinha do Brasil; frota foi atualizada recentemente pela Leonardo (MB)

Em comunicado na época, a Leonardo declarou ter escolhido Maricá “devido ao alto potencial de desenvolvimento econômico apresentado pela prefeitura”. A cidade fluminense recebe um grande retorno pelos royalties da exploração do petróleo na região.

Segundo os termos da proposta, a nova empresa será encarregada de oferecer produtos e serviços para a cidade e para o mercado latino americano. Numa evolução dos negócios, a joint venture pode implantar uma linha industrial dos produtos oferecidos no Brasil e na América Latina. A linha de atuação da companhia inclui sistemas de segurança e vigilância para cidades, portos, aeroportos, entre outros. Também atuará nos serviços de manutenção e treinamento de tripulações da frota de seus helicópteros, podendo também atuar em missões de emergências médicas.

Recém-adquirida pelo grupo Leonardo, a suíça Kopter anunciou em 2019 planos de criar uma base no Brasil e mais adiante até uma instalação de montagem. Após a mudança no comando da empresa, esse ponto agora é incerto.

Veja mais: A única foto do Concorde em velocidade máxima