Força Aérea Brasileira já perdeu ao menos 40% de seus caças AMX

Aeronave de ataque A-1, desenvolvida pela Embraer e parceiros italianos, teve 56 unidades entregues à FAB, mas ao menos 21 foram desativadas por motivos diversos
Um A-1M, versão modernizada do AMX (FAB)

Aeronave de combate mais avançada já desenvolvida no Brasil, o avião de ataque e reconhecimento A-1 viu sua frota na Força Aérea Brasileira (FAB) encolher significativamente durante as cerca de três décadas em que está em operação.

Projeto conjunto da Embraer com as fabricantes italianas Aeritalia e Aermacchi (hoje absorvidas pelo grupo Leonardo), o AMX, como é chamado seu programa, representou um enorme ganho tecnológico para o país ao permitir que equipes brasileiras ganhassem experiência com sistemas mais complexos de aeronaves, como comandos por fly-by-wire.

O AMX surgiu no final dos anos 70 e passou a década de 80 em desenvolvimento até ter o primeiro exemplar entregue à FAB em 1989 – a Itália, outra cliente do jato, recebeu seu primeiro caça na mesma época.

A Aeronáutica pretendia originalmente adquirir 79 jatos de ataque A-1, como foi batizado, mas acabou recebendo 56 unidades, 11 delas da versão de dois lugares.

O protótipo brasileiro do AMX ao ser apresentado na década de 80 (FAB)

As entregas ocorreram até 1999 e o A-1 equipou três esquadrões na Força Aérea. No entanto, a demora em produzir as aeronaves fez com que houvesse várias diferenças de equipamentos entre eles.

Por essa razão, a FAB lançou um programa de atualização do A-1 no início dos anos 2000 e que previa a padronização da aeronave com equipamentos mais modernos e capazes.

Entre eles estavam a substituição do radar pelo modelo nacional SCP-01, mudança do painel do cockpit com telas multifuncionais, adoção do conceito HOTAS (Mãos na manete e no manche) e Visor ao Nível dos Olhos (HUD), além de sistema de autodefesa com dispensadores “chaff” e “flares” e capacidade para lançar bombas inteligentes guiadas a laser.

No entanto, o primeiro AMX modernizado, um A-1M, só foi entregue à Força Aérea em 2012 e oito anos depois apenas onze aeronaves haviam sido atualizadas.

40% da frota original baixada

Nesse meio tempo, no entanto, a FAB perdeu diversos caças, cinco deles em acidentes. Levantamento de Airway também identificou 13 aeronaves desmontadas e que estão sendo leiloadas como sucatas além de dois A-1 que foram colocados em monumentos.

Recentemente, outra aeronave, um A-1B de registro FAB 5655, foi doada para uma universidade para ser usado como laboratório.

Um dos 13 jatos de combate A-1 que serão vendidos como sucata (João Emilio Leiloeiro)

Com as perdas, a frota de AMX na FAB é de no máximo 35 aeronaves, ou seja, quase 40% dos aviões foram baixados do seu inventário. Destes, cerca de duas dezenas são de versões antigas, com menor capacidade de combate.

Em declarações anos atrás, altos oficiais da Aeronáutica compartilharam a previsão que o A-1M permanecerá em serviço com no máximo 14 aeronaves, enquanto os demais jatos servirão como estoque de peças de reposição.

Serão então os únicos AMX em operação no mundo já que a Força Aérea da Itália planejava aposentar seus últimos “Ghibli”, como é chamado por lá, em 2022. Em seu lugar, a Aeronautica Militare usará os avançados Lockheed Martin F-35.

A Itália, única operadora do AMX além do Brasil, deve aposentar seus aviões neste ano (AM)

 

Total
138
Shares
5 1 vote
Article Rating
6 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos
Marcos
9 dias atrás

Logo aparece alguém dizendo que a FAB devia comprar esses amx aposentados da Itália…

Adriano
Adriano
9 dias atrás

A modernização sem fazer a remotorização foi desperdício de dinheiro público.

Marcelo Lopes
Marcelo Lopes
9 dias atrás

É importante lembrar sempre que essa aeronave teve papel importante no desenvolvimentop da industria brasileira aeronáutica, mas sem tempo passou. Agora é crescer ainda amis com os Gripens e torcer para que a FAB não invente de comprar mais Gripen’s da Saab, mas esperar que o Brasil/Embraer (e logo vai acontecer) comece a fabricar aqui aquelas últimas aeronaves desse primeiro lote. Tem que pensar em nós, na industria e economia brasileira, já que não é só a Embraer que vai se beneficiar, mas uma série de fornecedores na cadeia de produção. Se não estou enganado, se estiver me perdoem e me ajudem, o comandante da FAB não parece muito preocupado com isso.

Marcos Bastos
Marcos Bastos
9 dias atrás

Final não muito glorioso para um primeiro projeto nacional deste tipo. Parece que teve pouco uso servindo a FAB.

Last edited 9 dias atrás by Marcos Bastos
sidnei
sidnei
9 dias atrás

Maior parte do orçamento paga soldos, aposentadorias, próteses penianas, viagra, wisky, etc… Sobra muito pouco para investimento e manutenção.

Fabio
Fabio
7 dias atrás

Os AMX brasileiros vieram sem nenhum radar originalmente. Então o programa de atualização iria instalar e não substituir os radares da aeronave.

Previous Post

Airbus teria decidido não entregar os 19 A350 pendentes da Qatar

Next Post

Avião agrícola adaptado será usado pelos EUA em missões anti-terror no exterior

Related Posts
Total
138
Share