Força Aérea dos EUA aposenta primeiro bombardeiro B-1B Lancer

USAF planeja aposentar 17 bombardeiros B-1B Lancer até o final de 2021 para obter mais recursos e continuar investindo no novo B-21 Raider
B-1B Lancer - USAF

A Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) anunciou na quinta-feira (18) a aposentadoria de seu primeiro bombardeiro supersônico B-1B Lancer, dando início a um esforço para reduzir a “frota de aeronaves projetadas para combater os inimigos da Guerra Fria”.

A USAF planeja retirar de serviço 17 exemplares (de um total de 62) B-1B até o final deste ano com o propósito de liberar fundos e recursos para manter uma frota menor do tipo, com 45 aeronaves. O corte também deve aliviar as contas da força aérea americana para continuar investindo no desenvolvimento e aquisição do novo bombardeiro furtivo Northrop Grumman B-21 Raider.

“Iniciar a aposentadoria dos lendários bombardeiros para abrir o caminho para o B-21 Raider é algo pelo qual trabalhamos há algum tempo”, disse o general Timothy Ray, comandante do Comando de Ataque Global da USAF. “Devido ao desgaste causado à frota B-1 nas últimas duas décadas, a manutenção desses bombardeiros custaria dezenas de milhões de dólares por aeronave. E isso é apenas para corrigir os problemas que conhecemos. Estamos apenas acelerando as aposentadorias planejadas.”

O general Ray disse ainda que a retirada dos primeiros B-1B não afetará a “letalidade” da USAF. “Retirar aeronaves com o mínimo de vida útil nos permite priorizar a saúde da frota e o treinamento da tripulação. Nossa capacidade de equilibrar essas prioridades nos tornará mais capazes e letais.”

Bombardeiro de voo rasante

Conhecido entre os pilotos da USAF como “Bone” (Osso, em inglês), o B-1B é a segunda versão da aeronave quadrimotor desenvolvida originalmente pela Rockwell, empresa que absorvida pela Boeing. O modelo B é adaptado para executar ataques em altitudes extremamente baixas no intuito de evitar a detecção por radares terrestres. A variante entrou em serviço nos EUA em 1985, um ano após a introdução do B-1A, concebido para bombardeio em altitudes elevadas.

B-1B Lancer - USAF
A USAF ainda planeja manter 45 bombardeiros B-1B na frota (USAF)

Em 1994, com o fim da Guerra Fria, a USAF eliminou a capacidade de ataque nuclear do B-1B. O bombardeiro encontrou novos funções com o início da Guerra ao Terror em 2001, voando em missões de apoio aéreo aproximado para os militares dos EUA no Iraque e no Afeganistão. Essas missões, entretanto, sobrecarregaram as asas de geometria variável e a estrutura das aeronaves. Reformar esses aviões custaria entre US$ 10 milhões e US$ 30 milhões, por aparelho.

O primeiro protótipo do B-1 decolou em 23 de dezembro de 1974. Na época, ele foi projetado para ser o bombardeiro mais letal da USAF, capaz de voar em velocidade supersônica (máxima de 1.543 km/h) e transportar uma carga bélica de 34 toneladas, entre mísseis e bombas convencionais ou com ogivas nucleares.

Veja mais: Conheça os jatos de combate que já voaram com a FAB

Total
0
Shares
Previous Post
Terrafugia Transition

Fabricante de carros voadores, Terrafugia encerra operações nos EUA

Next Post

‘Jato executivo’ da British Airways, único A318 fez voo de despedida nesta semana

Related Posts