Sobrevida para um ícone: a nova versão F-15EX pode ser armada com até 22 mísseis (Boeing)

Ao que tudo indica, a carreira do caça F-15 “Eagle” da Boeing com a força aérea dos EUA (USAF) será muito longa. A fabricante norte-americana informou na semana que passada que a USAF encomendou oito unidades do F-15EX por US$ 1,1 bilhão.

O novo modelo é a quarta geração da aeronave de combate desenvolvida originalmente pela McDonnell Douglas (absorvida pela Boeing em 1997) entre o final da década de 1960 e início dos anos 1970. No futuro, o pedido pode ser ampliado para até 144 jatos.

Além de ter as características de voo conhecidas e impressionantes do F-15, a nova versão EX incorpora uma série de novas tecnologias e a maior carga bélica já proposta para um avião de caça. Segundo a Boeing, o F-15EX será capaz de transportar até 22 mísseis ar-ar AIM-9X Sidewinder de curto alcance e AMRAAM de médio alcance em suportes externos. O prazo para a entrega dos jatos reformulados ainda não foi definido.

“O F-15EX da Boeing é a solução mais avançada, econômica e pronta para atender aos requisitos de capacidade da Força Aérea dos EUA e adicionar capacidade à frota. Impulsionado pela linha de produção ativa da Boeing, o jato de última geração permite que pilotos e mecânicos façam a transição em questão de dias, em vez de anos, ao mesmo tempo em que oferece custos de ciclo de vida total incomparáveis”, diz o hotsite da Boeing sobre o F-15EX. Cada unidade do caça é avaliada em cerca de US$ 138 milhões.

A USAF não compra novos F-15 desde 2001, quando encomendou cinco modelos F-15E Strike Eagle, versão para dois pilotos projetada para atuar como caça e bombardeiro. O F-15 original voou pela primeira vez em 1972 e muitas das atuais aeronaves da frota norte-americana entraram em serviço nos anos 1980, tanto que muitos desses aviões são mais velhos que os pilotos que os comandam.

Existem atualmente pelo menos 235 unidades do F-15 (versões C e D) em serviço nos Estados Unidos e o caça ainda possui características admiradas entre os militares, mesmo com o advento de seu substituto, o moderníssimo F-22 Raptor da Lockheed Martin. O Eagle ainda é mais veloz e capaz que um avançado F-35, por exemplo, embora não tenha capacidade stealth (“invisível” aos radares).

Apesar de ser um projeto com quase 50 anos, o F-15 continua sendo um dos aviões de combate mais avançados e temidos do mundo, tanto que segue despertando o interesse de outras nações. O cliente mais recente do jato militar é a força aérea do Catar, que encomendou 36 caças (versão F-15QA) em 2017 e que serão entregues a partir de 2021.

O protótipo do F-15 voou pela primeira vez em 27 de julho de 1972 (USAF)

Veja mais: Marinha dos EUA recebe 100° P-8 Poseidon, a versão militar do Boeing 737