‘Jato-baleia’ movido a hidrogênio promete levar 279 passageiros sem poluir

Jato pensado pelo Aerospace Technology Institute poderá oferecer um alcance de 9.700 km, o suficiente para voar sem escalas entre Londres e Rio de Janeiro com zero emissão de carbono
O jato movido a hidrogênio poderá levar 279 passageiros em distâncias de 9,7 mil km (ATI)

O Aerospace Technology Institute (ATI), do Reino Unido, revelou nesta segunda-feira (6) a primeira de três aeronaves conceituais movidas a hidrogênio, combustível considerado um dos mais promissores para zerar a emissão de carbono no transporte aéreo.

O projeto FlyZero propõe aeronaves com porte semelhantes aos atuais aviões comerciais movidos a querosene, mas que serão propulsionados por hidrogênio armazenados em tanques distribuídos pela parte traseira e lateral da fuselagem.

A configuração do primeiro deles, um jato widebody de longo alcance, lembra a aparência de ‘baleia’ graças ao diâmetro muito grande da fuselagem. A razão é que o hidrogênio precisa ser armazenado sob pressão e a 250 graus Celsius negativos em tanques criogênicos, o que impede que as asas sejam utilizadas para isso, como ocorre nos modelos atuais.

A envergadura planejada é de 54 metros e as asas não levaram combustível (ATI)

O jato de médio porte terá 54 metros de envergadura, poderá transportar até 279 passageiros e será movido por dois turbofans adaptados para funcionar com hidrogênio líquido.

A meta é que a autonomia seja bastante elevada, de 5.250 milhas náutcias (9.723 km), o suficiente para voar sem escalas entre Londres e Rio de Janeiro ou Pequim, por exemplo.

O ATI também mostrará no início de 2022 os conceitos de um jato de um corredor e um de avião regional. O projeto FlyZero pretende servir como base para o lançamento de futuros programas sustentáveis na aviação no Reino Unido.

“Esses projetos podem definir o futuro da indústria aeroespacial e da aviação. Ao trabalhar com a indústria, estamos mostrando que o vôo verdadeiramente livre de carbono pode ser possível, com o hidrogênio como favorito para substituir os combustíveis fósseis convencionais”, disse Kwasi Kwarteng, scretário de negócios do instituto.

Além do widebody, o ATI vai apresentar uma proposta para um avião de corredor único e um modelo regional (ATI)

Total
465
Shares
Previous Post

A320 da Itapemirim apresenta desgaste da pintura em apenas quatro meses voando no Brasil

Next Post

DESAER apresenta o ATL-300, turboélice para até 40 passageiros

Related Posts
Total
465
Share