LATAM solicita mais prazo para apresentar plano de reorganização nos EUA

Antes previsto para 15 de setembro, empresa agora quer revelar plano no dia 15 de outubro. Grupo chileno afirmou ter recebido várias propostas de financiamento para tirá-la da recuperação judicial, mas manteve os nomes sob sigilo
A320 da LATAM

A LATAM solicitou a terceira postergação da data de apresentação do plano de reorganização financeira destinado a fazê-la deixar a recuperação judicial estabelecida numa corte de Nova York, nos EUA, no ano passado.

Antes previsto para o próximo dia 15, agora o prazo foi remarcado para 15 de outubro. A aprovação do plano foi transferiada de 8 de novembro para 15 de dezembro. Originalmente, o plano deveria ter sido apresentado em 29 de janeiro, mas a LATAM acabou pedindo mais tempo para negociar com seus credores.

As datas-limites servem como uma proteção para que a companhia aérea possa chegar a um acordo capaz de ser aceito e assim evitar ofertas externas, como a pretendida pela rival Azul. Se os credores não ficam satisfeitos com os termos da proposta da LATAM em tese podem apresentar planos alternativos.

Apesar disso, a empresa chilena afirmou estar em condições positivas para sair do “Capítulo 11”, como é chamado o processo de recuperação judicial dos EUA. Ela revelou ter em 31 de julho US$ 1,1 bilhão em caixa além de US$ 800 milhões disponíveis de um empréstimo feito pelos sócios, mas não utilizado ainda.

A LATAM também afirmou ter recebido várias sondagens de grupos interessados em financiar sua recuperação após compartilhar suas perspectivas financeiras para os próximos anos, com volumes acima de US$ 5 bilhões cada. A companhia aérea prevê recuperar a rentabilidade aos níveis de 2019 até 2026.

Airbus A350 - LATAM Airlines Brasil
A LATAM desistiu de operar o A350 em sua reformulação de frota (Miami Airport)

O otimismo vem do crescimento da demanda doméstica na maior parte dos mercados em que atua, inclusive o Brasil. Apenas a malha internacional, que era um dos pontos fortes da empresa, segue bem abaixo dos níveis pré-pandemia, por conta das restrições de viagem.

A empresa revelou ainda ter economizado cerca de US$ 900 milhões por ano, graças à transformação digital, renegociação com fornecedores e reestruturação da frota.

“Apesar da crise dramática que enfrentamos, aproveitamos ao máximo a nossa reestruturação, não apenas nos tornando substancialmente mais eficientes, mas também consolidando uma proposta de valor melhor para os clientes, o que tem sido reforçado pelo grande interesse que recebemos em conceder financiamento de saída”, disse Roberto Alvo, CEO da LATAM Airlines.

Alvo respondeu a uma questão sobre o assédio da Azul à divisão brasileira em conferência nesta sexta-feira. “O interesse da Azul é se defender, mas estamos tranquilos, não temos intenção nenhuma de vender unidades de negócios”, garantiu.

Total
9
Shares
Previous Post

Com estreia internacional do E195-E2, Azul voltará a voar para o Uruguai

Next Post

50 anos após primeiro voo, jato cargueiro Il-76 continua em produção na Rússia

Related Posts