Pandemia e governo populista decretam fim da LATAM Argentina

Filial argentina da companhia aérea encerra operações após 15 anos por conta dos reflexos do coronavírus e da probição de voos implementada pela gestão de Alberto Fernandez
Airbus A320 da LATAM Argentina em Aeroparque: mais uma baixa no mercado local (Juan Kulichevsky)

Uma “tempestade perfeita” atingiu a operação da LATAM na Argentina, provocando o fim da subsidiária da companhia aérea no país, após 15 anos de sua criação. O principal motivo do encerramento das operações, anunciado pela matriz no Chile, foi a pandemia do coronavírus, que derrubou a demanda por voos, mas houve um componente extra, o governo populista de Alberto Fernandéz, do partido Judicialista.

Eleito em 2018 como indicado da ex-presidente Cristina Kichner, Fernandéz tem revertido o movimento de desregulamentação e abertura do mercado de aviação comercial, implementado pelo antecessor, Mauricio Macri.

Em vez de promover a concorrência e ampliar a cobertura de voos na Argentina, o atual presidente está reinvestindo na deficitária Aerolíneas Argentinas, que mesmo com a abertura ainda dominava o transporte aéreo no país.

O advento do vírus COVID-19 foi a chave para sufocar as companhias da iniciativa privada ao proibir voos no país até setembro. Ao mesmo tempo, o governo tem se comprometido a manter a Aerolíneas Argentinas viva até a recuperação da demanda – a empresa está sendo fundida com a Austral Lineas Aereas na tentativa de reduzir custos.

Mais uma baixa

Em nota, a LATAM lamentou a dificuldade de construir acordos estruturais com os “atores da indústria local“, vulgo governo argentino. “É uma notícia lamentável mas inevitável. Hoje a LATAM deve focar na transformação do Grupo para se adaptar à aviação no pós COVID-19″, afirmou Roberto Alvo, CEO do Grupo LATAM Airlines.

Com o fim da operação doméstica, a LATAM deixará de atender 12 destinos na Argentina, mas quatro rotas internacionais serão mantidas por outras subsidiárias do grupo, assim que as restrições de tráfego aéreo sejam suspensas.

A Argentina tem sido e seguirá sendo sempre um país fundamental. As outras filiais do Grupo LATAM continuarão conectando os passageiros deste país com a América Latina e com o mundo”, garantiu Alvo.

A grave crise econômica da Argentina já fez duas outras vítimas, a Avianca e a subsidiária low cost da Norwegian, que foi absorvida pela concorrente JetSmart. Além dela, restam no país apenas as companhias aéreas Andes, em situação financeira delicada, e a Flybondi, a mais agressiva das empresas aéreas de baixo custo.

Diante da estratégia de retomar o monopólio da Aerolíneas Argentinas não será surpresa se novas baixas surgirem nos próximos meses.

Governo populista tem reinvestido na Aerolíneas Argentinas e sufocado rivais privadas (Airbus)

Veja também: Azul e LATAM Brasil anunciam acordo de compartilhamento de voos

Total
210
Shares
5 comments
  1. A Latam está quebrando em todos os países, daí o cara vem dizer que uma das culpas na Argentina é “do governo populista”. Haja paciência para tanta análise rasa. Se não consegue competir com a Aerolíneas Argentinas, que é “deficitária” como diz o próprio autor, vai competir com quem? Se a empresa é estatal o Estado vai “reinvestir” em uma empresa privada? Sou leitor há anos da Airway, mas esse tipo de texto ao modo coach neoliberal irrita para caramba. Vamos aprofundar a análise, pomba.

  2. Carlos, meu caro, então me explique o contrário, por favor: como competir com uma empresa que dá prejuízos há anos, é inchada e ineficiente, mas que é mantida viva pelo estado? A Argentina vivia uma fase de abertura em que a Aerolíneas perdia protagonismo e agora, enquanto as demais empresas privadas sangram diariamente porque o governo do país achou por bem fechar o transporte aéreo até setembro (mesmo com a pandemia num grau bem menor que Brasil e Europa, por exemplo), ela confortavelmente sobrevive às custas da sociedade. Muito conveniente para o atual partido. A crise do coronavírus atinge todas as empresas, sejam elas privadas ou estatais, eficientes ou ineficientes, mas enquanto alguns países estão ajudando o setor a sobreviver, nosso vizinho escolheu manter só a companhia aérea que representa sua política que, como vemos, afundou o país em dívidas há anos. Sinto, mas não é questão de ideologia e sim de pragmatismo e racionalidade. Querer rotular um fato com clichês já surrados de esquerda (neoliberalismo?) é fugir da realidade e isso sim irrita para caramba.

  3. “Governo Populista”… esse editor é Bolsomínion… É incrível como esse tipo de gente não se contem e se revela parcial… Acorda amigo. Teu governo aqui no Brasil se revelou não populista. Foi pior: é um governo de miliciano e o presidente não gira bem da bola. Agora vamos à realidade dos fatos: A Latam está quebrando em quase todos os lugares que atua… Em todos eles os governos são populistas? No Brasil caminha para isso, e nem vai ser preciso o “governo miliciano” proibir os voos.

  4. Essa é a questão, meu caro, se ela é ineficiente, por que o mercado não consegue suprir isso? E o Estado não foi feito simplesmente para dar lucro, foi feito para servir a sociedade e fazer a roda girar (embora isso nem sempre acontece), criar e sustentar empresas que gerem empregos, tecnologia e avanço ao seu país. Os Estados Unidos não é maior potência do mundo à toa, o Estado (mesmo levando prejuízo) é que movimenta as principais empresas do país, ainda que boa parte privadas, e eles sabem que só assim se tornaram um império. Repare, inclusive, que eles adoram pregar a “livre concorrência” quando eles são os maiores protecionistas do mundo, inclusive embargando países mundo afora. E sim, usei o “clichê” do neoliberalismo porque é isso mesmo que foi escrito por você, o que não tem problema algum, aliás, o presidente da Argentina está fazendo exatamente o que disse que iria fazer, se isso é populismo, bom para eles. O duro é ter um presidente demagogo que se diz patriota, mas entrega até a base de Alcântara, que se diz a favor da família tradicional, mas usa apartamento funcional “para comer gente”, que se diz “homem de bem” mas como chefe de Estado homenageai o ditador Stroessner um dos maiores pedófilos que se tem conhecimento, isso é populismo, no sentido pejorativo da palavra; antes nós que tivéssemos um governo populista igual da Argentina, que salva suas empresas e ainda consegue manter um índice baixo de mortalidade na pandemia. E pensar que o Brasil descobriu a maior reserva de petróleo do mundo com um put* investimento em tecnologia e empregos e agora vem entregando essa riqueza sistematicamente a preço de banana, e antes que alguém aqui venha com o clichê da corrupção, o que a Lava Jato diz ter recuperado não dá um mês de produção do pré-sal. Enfim, Meier, essa é opinião de um antigo leitor da Airway, e não tenho problema nenhum em dizer que é baseada em uma visão de esquerda.

  5. Carlos, gostei da sua tréplica, colocou sua opinião que pode não ser igual à minha, mas respeito. Veja que a situação é mais complexa do que parece ser essa dicotomia esquerda-direita, liberalismo-protecionismo, etc. Agora, se o governo argentino atual quer transformar o setor aéreo num serviço estatal é preciso então comunicar isso claramente para que as empresas privadas encerrem sua operação. O que eu não concordo é fazer o que fizeram, que é aproveitar uma pandemia tão grave para colocar em prática esse plano. Veja que essa postura dúbia de governo tem se espalhado pelo mundo, geralmente em países em que o mandatório age por impulso: no Brasil estamos assistindo a um desastre no setor que já causa vítimas (desemprego em massa). Prometem alguma ajuda, mas nada aconteceu até agora e talvez seja tarde demais se demorar muito mais. Sim, a LATAM não é vítima nessa história, claro. Os próprios tripulantes vêm reclamando que ela está propondo redução de jornadas e salários ‘ad eternum’, algo parecido com o que a British Airways estaria fazendo com funcionários antigos e de custo elevado. Só creio que a postura de qualquer país, independentemente da ideologia vigente, é o de isonomia: se vai ajudar, ajude todas as empresas, privadas ou estatais. Já se vai deixar com que sobrevivam por conta própria então isso tem que valer para todas, inclusive para Aerolíneas.

Comments are closed.

Previous Post

Quando a Guerra Fria foi parar no calor do Amazonas

Next Post

Cada vez mais raro, Airbus A340 ainda resiste em pequenos centros da aviação

Related Posts