Primeiros caças Gripen de série da FAB decolam de Navegantes rumo a Gavião Peixoto

Aeronaves voaram do Aeroporto Internacional de Navegantes (SC) para o Centro de Ensaios em Voo do Gripen, na sede da Embraer, em Gavião Peixoto (SP)
Voa, Gripen! Aeronaves serão submetidas ao processo de certificação militar em Gavião Peixoto (SAAB)

Recém-chegados de navio ao Brasil, os dois primeiros caças Saab F-39E Gripen de produção em série destinados à Força Aérea Brasileira (FAB) decolaram na tarde desta quarta-feira (6) do Aeroporto Internacional de Navegantes (SC) rumo ao Centro de Ensaios em Voo do Gripen, na sede da Embraer, em Gavião Peixoto (SP). Está foi a primeira vez que os novos caças operacionais voaram pelo espaço aéreo brasileiro.

As aeronaves que partiram da cidade portuária de Santa Catarina foram comandadas por pilotos da FAB, que realizaram treinamentos na Suécia para voar no novo jato de combate. O voo da dupla até Gavião Peixoto, a cerca de 310 km de São Paulo, foi executado em cerca de 50 minutos.

“A chegada das aeronaves é resultado de um projeto que, desde o início, buscou o incremento de nossas capacidades dissuasórias, bem como tinha o objetivo de ser um estímulo à pesquisa e ao desenvolvimento industrial do Brasil. Temos agora uma aeronave multimissão que chega no estado da arte e será o principal vetor para a garantia da soberania do espaço aéreo brasileiro”, comentou o Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior.

No Centro de Ensaios em Voo do Gripen, os caças serão submetidos ao processo de certificação militar. O processo com as duas primeiras aeronaves será confirmado após ensaios de voo com pilotos da FAB, Embraer e Saab. Depois disso, os F-39E serão transferidos para a base aérea de Anápolis (GO) para as etapas finais da fase de entrega.

Os dois primeiros Gripen de série da FAB desembarcaram em Navegantes (SC) no último sábado (SAAB)

Mais adiante, os caças serão incorporadas à frota do 1º Grupo de Defesa Aérea, o “Esquadrão Jaguar”, que fica baseado em Anápolis (GO). A FAB ainda não definiu uma data para a estreia operacional dos novos vetores.

“O Brasil participa ativamente do desenvolvimento, da campanha de ensaios em voo e da produção dos caças, como parte do amplo pacote de transferência de tecnologia para a indústria de defesa brasileira. A chegada das duas aeronaves de produção em série é resultado dessa grande colaboração”, destacou Jonas Hjelm, vice-presidente sênior e head da unidade de negócios Aeronautics da Saab.

Até o fim deste ano, é esperada a chegada de mais quatro caças F-39E Gripen ao Brasil importados da Suécia. Ao todo, a FAB encomendou 36 aeronaves, sendo 28 modelos monopostos (F-39E) e oito bipostos (F-39F), versão que ainda está em fase de desenvolvimento. O acordo, fechado em 2014, é avaliado em 39,3 bilhões de coroas suecas (R$ 19,7 bilhões na cotação atual).

As aeronaves recém-chegadas em Santa Catarina são diferentes do primeiro caça Gripen que desembarcou em Navegantes em setembro de 2020. Este modelo é uma unidade FTI (Flight Test Instrumentation), destinada a testes de desenvolvimento no Brasil como parte do acordo de transferência de tecnologia de construção do caça para a indústria nacional.

O F-39E Gripen pode voar a velocidade máxima de Mach 2 – 2.469 km/h  (SAAB)

Transferência de tecnologia supersônica

O Gripen é a primeira experiência da indústria brasileira e de toda América Latina na construção de um caça supersônico. Das 36 aeronaves encomendados pela Aeronáutica, 15 delas (oito modelos monopostos e sete bipostos) serão produzidas integralmente no Brasil.

A linha de montagem nacional do Gripen ficará concentrada na unidade da Embraer em Gavião Peixoto (SP). No futuro, a FAB poderá encomendar novos lotes de aeronaves produzidas localmente. O modelo brasileiro também pode ser envolvido em acordo de exportação, sobretudo para outras nações na América Latina.

Nos próximos anos, os Gripen vão assumir os posto do antigos caças F-5 Tiger, que voam com as cores da FAB desde a década de 197o, e também a vaga dos caças-bombardeiros A-1 (Embraer AMX).

Total
18
Shares
Previous Post
Embraer Super Tucano

Frota mundial de Super Tucanos alcança 500 mil horas de voo

Next Post

Marcos Amaro: “Foco da Alfa Airlines será a aviação regional”

Related Posts
Total
18
Share