Tupolev Tu-154 - Alrosa Airlines

A Alrosa foi um dos clientes primários do Tu-154 e operou o trimotor por quase 50 anos (Papas Dos)

O último Tupolev Tu-154 em operação comercial na Rússia realizou seu voo final nesta quarta-feira (28) com a companhia aérea siberiana Alrosa, no trecho entre Mirny e Novosibirsk. A viagem derradeira do antigo trijato encerrou um ciclo de 48 anos da aeronave no mercado russo.

Um dos operadores de lançamento do Tu-154, a Alrosa informou que aeronave com matrícula RA-85757 transportou 141 passageiros no voo de despedida, além dos quatro tripulantes de cabine – dois pilotos, um navegador e um engenheiro de voo – e mais quatro comissários de bordo.

O modelo aposentado voava com empresa russa desde de junho de 2002. Segundo a Alrosa, o Tu-154 era uma das “uma das aeronaves mais confiáveis e rápidas” de sua frota. O primeiro dono do jato retirado de serviço foi a Aeroflot, que recebeu o modelo em 1992.

“Junto com esta aeronave lendária, uma era inteira de construção de aeronaves domésticas está terminando”, acrescentou a companhia aérea.

Diretor da Alrosa, Andrei Gulov diz que o jato da era soviética será sucedido por aeronaves mais econômicas e silenciosas, entre eles os jatos russos Sukhoi SSJ100 e o Irkut MC-21.

Tupolev Tu-154 - Alrosa Airlines

Tupolev Tu-154 com a antiga pintura da Alrosa (Anna Zvereva)

A empresa aérea russa voa com jatos Boeing 737-700 e 737-800, além de uma variada gama de aviões de pequeno e médio porte e helicópteros (incluindo o Mi-26, o maior helicóptero do mundo) usados em voos de carga e trechos regionais pela Sibéria.

Nos seus 18 anos de serviço comercial com a Alrosa, o RA-85757 teve uma utilização modesta, acumulando 27.500 horas de voo e transportando 160.000 passageiros, de acordo com a empresa. O jato permanecerá no aeroporto de Novosibirsk até que seja tomada uma decisão sobre o seu destino.

727 soviético

Repetindo a configuração com três motores do Boeing 727 que fez sucesso nos anos 1960, o Tu-154 voou pela primeira vez em 4 de outubro de 1968. O trimotor foi projetado para transportar entre 118 e 180 passageiros, com autonomia de 6.600 km e velocidade máxima de quase 1.000 km/h.

Ao contrário do 727, descontinuado em 1984, o avião da era soviética sobreviveu a queda do regime comunista e seguiu em produção até 2013, apesar do projeto ultrapassado. O Tu-154 foi o último trijato comercial produzido no mundo. Em 45 anos, a Tupolev entregou cerca de 1.020 aeronaves.

Operado por mais de 40 empresas aéreas na Rússia, o Tu-154 também foi popular em países que no passado eram alinhados com a antiga União Soviética. No Ocidente, o único cliente da aeronave foi a Cubana de Aviación, empresa aérea estatal de Cuba.

Tupolev Tu-154 - Air Koryo

Aposentado no transporte de passageiros na Rússia, o Tu-154 continua ativo na Coreia do Norte (IRONHIDE)

Cerca de 40 exemplares do Tu-154 continuam em serviço nas forças armadas do Cazaquistão, China e Rússia. A Air Koryo, da Coreia do Norte, agora é o último operador comercial do clássico trimotor da Tupolev, com dois aparelhos em serviço.

Veja mais: Rússia pode cortar verbas do Il-96-400M, o avião que ninguém quer