Retomada de voos para a América do Sul privilegia São Paulo em detrimento do Rio e Buenos Aires

Companhias aéreas estrangeiras como Emirates, Qatar, Alitalia e Iberia têm priorizado o reinício de frequências para Guarulhos
O A350-1000 da Qatar Airways já conta com o sistema AED (Airbus)
O A350-1000 da Qatar Airways já conta com o sistema AED (Airbus)
O A350-1000 da Qatar Airways já conta com o sistema AED (Airbus)
A350-1000 da Qatar Airways: voo entre Doha e São Paulo não terá mais extensão até Buenos Aires (Airbus)

Afetado de forma muito mais profunda pela pandemia, o tráfego aéreo internacional no Brasil tem se resumido a rotas essenciais e voos de repatriação. Mas esse cenário tem mudado lentamente nas últimas semanas com a retomada de frequências por algumas companhias aéreas.

A baixa demanda, no entanto, tem obrigado muitas dessas empresas a escolher um destino como prioritário e ele invariavelmente tem sido São Paulo. O Aeroporto de Guarulhos, maior hub internacional na América do Sul, concentra a grande maioria dessas rotas, mas o quadro promete se desequilibrar ainda mais nos próximos meses já que outros destinos conhecidos na região como o Rio de Janeiro e Buenos Aires têm sido preteridos nessa fase de recuperação.

Uma das primeiras companhias a anunciar o retorno ao continente foi a Emirates, porém, apenas na rota Dubai-São Paulo no começo deste mês. A empresa, por outro lado, optou por encerrar o voo que atendia o Rio de Janeiro e a capital argentina. Também em agosto, a British Airways voltou a voar para a capital paulista (além de Buenos Aires), mas marcou a retomada da rota Londres-Rio para setembro.

Nesta semana foi a vez da Qatar Airways eliminar a extensão do voo entre Doha e São Paulo que atendia Buenos Aires. A decisão é definitiva e motivou o fechamento da base no país vizinho. Pesa contra a Argentina o fato de o governo local ter instituído uma quarentena muito agressiva, que praticamente isolou o país. Antes prevista para ser flexibilizado em setembro, o ‘lockdown’ foi estendido até novembro, tornando a situação das companhias aéreas privadas do país insuportável.

Por outro lado, a Qatar reafirmou seu compromisso com o Brasil. “Seguimos fortes com voos diários em nossa aeronave com responsabilidade e sustentabilidade, o A350-1000. A decisão da Argentina não afeta em absolutamente nada o voo São Paulo-Doha”, disse a empresa em nota.

Airbus A350 da Iberia: companhia espanhola deve voltar a São Paulo em setembro e para o Rio, em dezembro (Airbus)

Rio postergado

O Aeroporto do Galeão, segundo mais importante hub internacional brasileiro, também sofre com uma malha modesta. Além de ser ofuscado pelas rotas do Santos Dumont, o terminal tem visto seus voos oriundos do exterior minguarem. Duas companhias tradicionais na cidade decidiram postergar seu retorno, a Iberia e a Alitalia.

A companhia espanhola só deve voltar a voar para o Rio em dezembro enquanto São Paulo já verá seus voos de Madri em setembro. A problemática empresa italiana, por sua vez, reprogramou seus voos apenas para março de 2021 – Guarulhos deve voltar a ser atendido em novembro.

Entre as americanas, a situação é menos desigual. A American Airlines enxugou suas rotas para o Brasil, cancelando o voo São Paulo-Los Angeles e suspendendo as frequências entre Miami e Rio, e São Paulo-Nova York e São Paulo-Dallas para dezembro. Já o voo sazonal Rio-Nova York deve ocorrer em 2021 – a única rota ativa é Guarulhos-Miami desde agosto.

A Delta, que retomou o voo São Paulo-Atlanta em agosto, deve voltar a voar entre capital paulista e Nova York no final de setembro, e entre o Rio e Atlanta, em dezembro. A United, por sua vez, é a que manteve sua malha menos inalterada, com a rota SP-Houston mantida e o voo SP-NY retomado em agosto. Em outubro, a empresa esperar voltar a voar entre o Rio de Janeiro e Houston, e São Paulo-Chicago e Washington.

A capital carioca manteve os voos da Air France (Paris), KLM (Amsterdam) e TAP (Lisboa) nos últimos meses e deve voltar a receber aviões da Edelweiss vindos da Suíça em outubro. A Lufthansa, no entanto, segue sem previsão de retorno assim como as empresas Copa, Norwegian Air, Paranair e Aerolíneas Argentinas.

(Boeing)
A United foi uma das poucas empresas a voar para o Brasil mesmo durante alguns períodos mais restritos (Boeing)

Veja também: Companhia venezuelana Conviasa vai retomar voos para Moscou

Total
29
Shares
0 0 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
JAYME
JAYME
1 ano atrás

Palhaçada. Eu não voo de São Paulo, pior para essas empresas que insistem com essas atitudes. Todos os cariocas não deveriam se sujeitar a fazer conexão em São Paulo, assim como os estrangeiros que vierem ao Rio. Com as viagens de negócios, com perspectivas de nunca mais voltarem a serem como antes, queria ver Guarulhos bombar sem conexões.

Previous Post

Rússia testa o caça Su-57 pilotado por controle remoto

Next Post

Sai pra lá, coronavírus! Boeing revela “bastão ultravioleta” para desinfetar aviões

Related Posts