South African Airways está perto de encerrar suas atividades

Sem apoio do governo, empresa aérea da África do Sul planeja demitir todos os funcionários nos próximos dias
A South African opera jatos Airbus A330 e A340 nas rotas para o Brasil (South African Airways)
A South African opera jatos Airbus A330 e A340 nas rotas para o Brasil (South African Airways)
A South African opera jatos Airbus A330 e A340 nas rotas para o Brasil (South African Airways)
A SAA é uma das raras empresas que ainda possuem o quadrimotor Airbus A340 (South African Airways)

O fim está muito próximo para a South African Airways (SAA). Na sexta-feira, 17 de abril, a mídia sul-africana informou que a companhia planeja demitir nos próximos dias todos os seus 4.700 funcionários, após o governo local rejeitar enviar uma ajuda de 10 bilhões de rands (cerca de R$ 2,8 bilhões) para garantir a sobrevivência da empresa em meio a crise no setor aéreo causada pela pandemia do novo coronavírus.

Empresa aérea estatal fundada em 1934, a SAA sofre há anos com uma má administração e desde 2011 não obtém lucros, o que vem impedindo a modernização de sua frota e expansão dos negócios. Desde dezembro do ano passado, a companhia é mantida por seus credores, em uma situação de “pré-concordata”, mas o avanço da pandemia tornou a situação da empresa insustentável.

A SAA suspendeu todos os seus voos no final de março, após o governo da África do Sul impor medidas de isolamento social em todo seu território para conter o surto da Covid-19, agravando as perdas da empresa. Antes disso, a companhia já vinha cancelando uma série de voos domésticos e internacionais, incluindo o trecho entre Joanesburgo e São Paulo, encerrado em 29 de fevereiro.

O plano de demissão dos funcionários da SAA ainda precisa ser aprovado pelo parlamento sul-africano. Segundo a Bloomberg, a companhia está trabalhando em pacotes de indenização para seus colaboradores.

No entanto, a capacidade da empresa de pagar as rescisões depende da venda bem-sucedida de ativos, incluindo aeronaves, imóveis e slots em aeroportos, o que dificilmente deve acontecer neste momento de pandemia ou mesmo após a crise no setor aéreo, que deve demorar um longo período para retomar a normalidade.

Veja mais: Chineses poderiam assumir o lugar da Boeing como sócios da Embraer?

 

 

Total
19
Shares
0 0 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
GILSON N DOS SANTOS
GILSON N DOS SANTOS
2 anos atrás

Falam tanto em economia de mercado,privatiza tudo, neoliberalismo, estado mínimo, ‘deixa que o mercado regula’, mas, no primeiro aperto recorrem a quem? Mamãe pátria. Pelo menos é assim nestas terras tupiniquins.

Previous Post
O E190-E2 estreou na aviação comercial em abril de 2018 (Embraer)

Chineses no lugar da Boeing como sócios da Embraer?

Next Post

Veja como poderiam ficar os assentos dos aviões após a pandemia do coronavírus

Related Posts
Total
19
Share