Equipe do Esporte Clube São José no hidroavião da Varig momentos antes do voo (Esporte Clube São José)

Em uma manhã fria e chuvosa de domingo, no dia 5 de junho de 1927, quando a equipe de futebol do Esporte Clube São José, de Porto Alegre (RS), embarcava no hidroavião Dornier Do J Wal “Atlantico”, da Varig, para uma viagem histórica e pioneira. Era a primeira vez, no mundo todo, que a delegação de um time de futebol viajava de avião para disputar uma partida. O feito foi reconhecido pela FIFA em 1992 e está registrado nos arquivos da entidade.

O voo, com duas horas e meia de duração, foi entre Porto Alegre e o município de Pelotas, onde o São José jogou uma partida amistosa contra o time local, o Esporte Clube Pelotas. Como de costume, o embarque dos passageiros ocorreu na Ilha Grande dos Marinheiros, às margens do Rio Guaíba, na capital gaúcha.

Antes da decolagem, porém, houve preocupação por parte do comandante Rudolf Cramer von Clausbruch, em relação às condições meteorológicas e também ao peso de decolagem da aeronave. A Varig havia solicitado, antecipadamente, que o clube informasse o peso exato dos passageiros. Porém, no dia do voo, todos carregavam pesados casacos de lã, devido ao clima frio, o que causou excesso de peso. Além disso, a aeronave possuía capacidade para apenas nove passageiros. Por esse motivo, o goleiro Alberto Moreira Haanzel, conhecido como “Bagre”, e Antônio Pedro Netto tiveram que viajar no compartimento de bagagens, algo impensável nos dias de hoje.

Na cabine de passageiros, sentados em “confortáveis” poltronas feitas de vime, e com os ouvidos devidamente protegidos do barulho ensurdecedor produzido pelos motores por pedaços de algodão que eram distribuídos antes de cada voo, viajaram os jogadores Álvaro Kessler, Dirceu Silva, Alfredo Cezaro (Pinho), César Cezaro, João Nicanor Leite (Nona), Clóvis Carneiro Cunha e Walter Raabe, além de Carlos Albino Müller Pires, chefe da delegação, e Moisés Antunes da Cunha, secretário do clube.

Antes do embarque, o então presidente do Esporte Clube São José, Waldemar Zapp, pediu para que fosse feita uma foto do grupo, junto à aeronave, para guardar como recordação, caso ocorresse uma tragédia. Na foto, mais uma curiosidade. Antônio Pedro Netto, aparece com um fardo entre as pernas. Eram 30 exemplares do Jornal Correio do Povo, que ele estava levando para vender no local do jogo. A explicação é que, naquela época, os jornais de sábado da capital chegavam à Pelotas apenas na quarta-feira seguinte. Mas levando-os de avião, o esperto Antônio pôde vendê-los já no domingo, ganhando dinheiro suficiente para o pagamento do jantar após a partida.

João Leal da Silva, tesoureiro do clube, viajou dois dias antes, de vapor (navio), para acertar os detalhes da partida e da estada em Pelotas, acompanhado pelos jogadores Odorico Monteiro, Benedito e Fritz Waldemar Kinnemann (Berlina). Os quatro voltaram para Porto Alegre a bordo do hidroavião da Varig, ocupando os lugares de outros quatro passageiros que retornaram de vapor.

O placar do jogo? Um empate em 2 a 2. Mas nesta história, isso é o que menos importa…

o hidroavião alemão Dornier Do J foi a primeira aeronave operada pela Varig (Via Ilha Grande dos Marinheiros)

Outro fato liga o Esporte Clube São José à Varig

O terreno da Avenida Assis Brasil, número 1200, no bairro Passo D’Areia, em Porto Alegre, onde está localizado o estádio do Esporte Clube São José, pertencia a Rubem Berta. Ele tinha a intenção de construir uma pista de pouso no local. No entanto, como já havia uma considerável expansão imobiliária na região, por motivo de segurança, seu projeto não teve continuidade. Berta então colocou o terreno à venda e, em 1939, os dirigentes do “Zequinha”, como é conhecido o clube porto-alegrense, compraram a área por um preço abaixo do valor de mercado. No ano seguinte, em 24 de maio de 1940, era inaugurado oficialmente o Estádio Passo D’Areia, assim chamado até hoje.

Varig, Varig, Varig…

O voo da Varig que transportou a equipe de futebol porto-alegrense aconteceu menos um mês após a fundação da companhia aérea, criada em 7 de maio de 1927 (e encerrada em 20 de julho de 2006).

A primeira aeronave incorporada pela Varig foi justamente o hidroavião alemão (e fabricado na Itália) Dornier Do J Wal “Atlantico”, um dos primeiros aviões comerciais do mundo. O aparelho com capacidade para nove passageiros estreou no mercado em 1927 e as últimas unidades (de um total de 250 aviões produzidos) foram desativadas somente em 1950

*Texto publicado originalmente na página Falando de Aviação.

Veja mais: Plano de ressuscitar o Fokker 100 incluía até fábrica no Brasil