Senhores passageiros, aperte os cintos: a nave Virgin pode levar seis passageiros (Virgin Galactic)

Primeira companhia de turismo espacial do mundo, a Virgin Galactic revelou nesta semana uma coleção de imagens e aplicativos revelando como será a cabine da SpaceShipTwo, espaçonave comercial projetada para levar seis passageiros a um passeio no limite do espaço.

A nave da Virgin, o modelo VSS Unity, ainda está em fase de testes e a empresa ainda não tem um prazo para iniciar o serviço. Por outro lado, os bilhetes para a viagem espacial já estão à venda, cada um por cerca de US$ 250 mil (R$ 1,2 milhão na cotação atual).

Em tempos de pandemia, a Virgin Galactic usou a tecnologia para dar um vislumbre de seus voos espaciais. Aplicativos para smartphone mostram por meio de realidade aumentada (AR) alguns detalhes da espaçonave em tamanho real, como os assentos e uma janela (com vista para a Terra), ou mesmo toda a cabine da SpaceShipTwo (em órbita). Para um passeio imersivo pelo interior da nave, o app também é compatível com óculos de realidade virtual (VR).

Michael Colglazier, novo CEO da Virgin Galactic, frisou que o interior da espaçonave é o elemento principal do produto oferecido pela empresa: “A cabine da espaçonave é, em muitos aspectos, a peça central na jornada dos astronautas. O que criamos vai facilitar e inspirar uma jornada profunda e transformadora de forma única para os milhares (de passageiros) que voarem. Esperamos que o novo aplicativo, com tecnologia de ponta em AR, ajude a trazer o sonho do espaço um passo mais perto para os entusiastas do espaço em todos os lugares. ”

SpaceShipTwo em baixa órbita: viagem com passageiros vai durar cerca de 90 minutos (Virgin Galactic)

Fundador do Virgin Group, o bilionário britânico Richard Branson, disse: “Quando criamos a Virgin Galactic, começamos com o que acreditávamos ser uma experiência ideal para o cliente e depois construímos a nave espacial em torno dela. Continuaremos com esse hábito à medida que expandimos nossa frota, construímos nossas operações e sustentamos a posição da Virgin Galactic como a ‘Spaceline for Earth’. Esta cabine foi projetada especificamente para permitir que milhares de pessoas como você e eu realizemos o sonho de realizar voos espaciais com segurança e isso é incrivelmente emocionante. ”

A cabine

O interior da espaçonave foi criado pela agência de design britânica Seymourpowell. Do chão ao teto, todas as superfícies são cobertas por materiais macios. assim nenhum passageiro machuca a cabeça enquanto flutua na cabine. Outro detalhe interessante são as agarras nas bordas das janelas e até no piso da cabine, onde os turistas espaciais poderão se segurar enquanto experimentam o efeito da gravidade zero.

A sonda da Virgin tem um total de 17 janelas, com cinco na parte frontal para os dois pilotos e uma duzia na sessão dos passageiros. A cabine ainda possui 16 câmeras, que filmarão os passageiros em alta definição capturando seus momentos nos voos espaciais.

Além disso, um grande espelho – feito de um composto plástico leve – cobre a parte traseira da espaçonave. É um recurso visual que aumenta a sensação de espaço na cabine e que, segundo a Virgin, vai ajudar a aumentar e luminosidade natural na cabine.

Tem até espelho! Item aumenta a sensação de espaço e luminosidade na cabine, diz a Virgin (Virgin Galactic)

O assento

Os assentos, também desenhados pela Seymourpowell, são feitos de alumínio e fibra de carbono. O tecido é de “grife”, com detalhes tricotados pela Under Armour, que também produz os trajes espaciais que serão usados pelos clientes da Virgin Galactic.

Os seis assentos de passageiros são fixados horizontalmente à fuselagem da espaçonave, um elemento de design conhecido como cantilever. Além disso, os pilotos controlam um mecanismo reclinável dos bancos, o que ajudará os passageiros a suportar melhor as forças G durante as fases de lançamento e reentrada do voo espacial.

Para sentar nesse assento precisa pagar US$ 250 mil ou ser muito amigo do Richard Branson (Virgin Galactic)

Cada assento possui um cinto de cinco pontos, para que os passageiros fiquem bem presos durante o voo. As fivelas são projetadas para estar prontamente disponíveis, para que os clientes possam retornar facilmente aos seus lugares depois de flutuar no espaço.

Cada passageiro terá um sistema de comunicação com pequenos fones de ouvido. Além disso, cada assento possui uma pequena tela digital à sua frente, fornecendo dados de voo aos viajantes.

Quanto falta para estrear?

A Virgin Galactic está atualmente instalando a cabine completa na nave USS Unity, que fica baseada no Spaceport America, no Novo México, EUA. Até o momento, a espaçonave da Virgin realizou apenas dois voos suborbitais. No último deles, em 25 de junho, a nave foi lançada com três tripulantes, entre eles Beth Moses, instrutora de astronautas da Virgin e a primeira pessoa a viajar na cabine de passageiros da SpaceShipTwo.

Momento do lançamento em grande altitude da espaçonave SpaceShipTwo (Virgin Galactic)

A empresa também está construindo mais duas naves turísticas, apesar de ter realizado algumas mudanças nas operações devido à crise do coronavírus. Como todo projeto espacial, a empreitada da Virgin ainda pode levar alguns anos para ficar madura e segura para receber os clientes, que a companhia chama de “astronautas do futuro” (são cerca de 600 pessoas que já compraram adiantado assentos para viajar até o espaço). Até esse dia chegar, a equipe de desenvolvimento ainda deve realizar mais uma série de testes de voos antes de definir uma data para a estreia comercial.

A nave da Virgin é concebida para fazer um curto sobrevoo pela Linha de Kármán, um limite convencionado que fica a uma altitude de 100 km acima do nível do mar, usado para definir o limite entre a atmosfera terrestre e o espaço exterior.

As aeronaves da Virgin são produzidas pela Scaled Composites, do projetista lendário Burt Rutan (Virgin Galactic)

Segundo a companhia, o tempo da viagem espacial será em torno de 90 minutos. Isso inclui a decolagem e o lançamento (a cerca de 50.000 pés) a partir da nave mãe White Knight Two, a fase de subida, estabilização em baixa órbita, reentrada na atmosfera e o voo planado até o pouso.

Os ocupantes poderão sentir sentir a ausência da gravidade quando a SpaceShipTwo alcançar o topo de trajetória, quando poderão se soltar dos assentos e flutuarem pela cabine. Mas precisa ser rápido, pois esse momento dura apenas seis minutos.

Veja mais: Para TripAdvisor, Azul é a melhor companhia aérea do mundo em 2020