Virgin Orbit realiza último teste antes de lançamento do foguete LaunchOne

Novo empreendimento espacial de Richard Branson promete colocar satélites em órbita a preços mais acessíveis
(Virgin Orbit)
Lançadora de cargas espaciais: a Virgin Orbit é o segundo empreendimento de Richard Branson no setor espacial, depois da empresa de turismo espacial Virgin Galactic (Virgin Orbit)

O Boeing 747-400 da Virgin Orbit concluiu nesse domingo (13/4) o último teste de voo nos céus do deserto de Mojave antes de iniciar sua carreira como lançador de foguetes espaciais. A aeronave, apelidada de “Cosmic Girl”, realizou uma manobra de subida brusca e simulou o momento do lançamento em voo do foguete LaucherOne proposto pelo empreendimento espacial de Richard Branson.

Apesar do sucesso do voo, a Virgin Orbit não faz novas estimativas sobre o primeiro lançamento, antes previsto para o começo de 2020. O motivo é o coronavírus, que fez com que sua equipe fosse dispensada do trabalho e permanecesse em casa recebendo seu salário integral. Ao mesmo tempo,  empresa anunciou que está fabricando ventiladores para ajudar no combate à pandemia.

A empresa trabalha atualmente nos detalhes finais do LaucherOne, o foguete que será transportado pelo 747 e lançado em voo – a Virgin chama o conjunto avião-foguete de “MegaZord”. No começo de abril, a divisão do grupo Virgin selecionou o aeroporto de Oita, no Japão, para ser sua base de operações, embora o aparato de lançamento possa ser transportado para diferentes partes do mundo.

Como se sabe, lançar foguetes para o espaço custa muito dinheiro. Buscando um meio termo nesse mercado e usando a técnica de lançamentos em voo com o 747, a Virgin Orbit promete colocar objetos de até 300 kg em órbita, como pequenos satélites, a preços mais acessíveis. Cada lançamento deverá custar entre US$ 10 milhões e US$ 12 milhões.

O LaucherOne é projetado para ser liberado da aeronave a cerca de 35.000 pés de altitude. O processo lembra o lançamento de um míssil: o artefato com 16 metros de comprimento é separado do 747 e logo em seguida aciona seus motores. Como não precisa sair do chão a velocidade zero, o veículo espacial da Virgin não precisa de tanto combustível para alcançar o espaço, além de não exigir bases terrestres de lançamento.

O foguete da Virgin possui dois estágios de propulsão. A primeira fase usa um motor de 75.000 libras de empuxo por cerca de três minutos. Após a separação, o módulo final completa a subida com um motor de 5.000 libras. De acordo com “companhia espacial”, cada missão deve durar menos de 10 minutos.

A Virgin Orbit é o segundo empreendimento espacial criado por Richard Branson, depois da empresa de turismo espacial Virgin Galactic.

O foguete LaucherOne é lançado do 747 ‘Cosmic Girl’ a 35.000 pés de altitude (Virgin)

Primeiro cliente é militar

Recentemente, a VOX Space, uma subsidiária da Virgin dedicada a lançamentos espaciais governamentais, conseguiu um valioso contrato com a “Força Espacial” dos EUA.

O contrato da Força Espacial consiste em três lançamentos e está avaliado em US$ 35 milhões. Essas missão farão parte do Programa de Teste Espacial do Departamento de Defesa dos Estados Unidos-S28, que é um conjunto de veículos espaciais demonstradores para baixa órbita terrestre. O primeiro lançamento está programado para outubro de 2021.

Veja mais: Maior avião do mundo, Antonov An-225 vai participar do combate à Covid-19

Total
39
Shares
Previous Post

Despesas da Boeing na aviação comercial custam “uma Embraer” por mês

Next Post
Voo para Nova York deveria estrear em junho

Estreia da Azul em Nova York deve ficar para 2021

Related Posts