Bombardier apresenta o jato executivo Challenger 3500

Aeronave da categoria super mid-size é uma reformulação do Challenger 350, com maior autonomia, novos recursos e altitude de cabine reduzida
Challenger 3500 (Bombardier)

A Bombardier anunciou nesta terça-feira (14) seu novo jato executivo “super médio”, o Challenger 3500. Trata-se na verdade de uma reformulação do Challenger 350, lançado em 2014, e que agora inclui alguns recursos vistos em seus concorrentes como o auto-throttle.

Previsto para entrar em serviço no segundo semestre de 2022, o Challenger 3500 possui as mesmas dimensões e características do antecessor, mas oferece uma autonomia maior, de 3.400 milhas náuticas, 200 a mais do que antes.

Em vez de focar no desempenho em si, a fabricante canadense preferiu equipar o novo jato executivo com uma cabine de passageiros mais confortável e moderna além de aprimorar o sistema de pressurização para reduzir a altitude de cabine.

Segundo a Bombardier, ela é de 4.850 pés a uma altitude real de 41.000 pés, o que representa uma melhora de 31% em relação ao seu predecessor.

O Challenger 3500 também oferecerá diferenciais como acionamento de luzes, temperatura e sistema de entretenimento por voz, carregadores wireless e monitores de 24 polegadas com resolução 4K.

“Estamos entusiasmados em lançar um jato executivo que apresenta todos os elementos mais vendidos da plataforma Challenger – desempenho impressionante, confiabilidade consistente, condução excepcionalmente suave – enquanto eleva a experiência de cabine para nossos clientes”, disse Éric Martel, presidente e executivo-chefe Oficial, Bombardier.

A empresa ressaltou ainda o caráter sustentável da aeronave, que será a segunda a obter um certificado EPD (Environmental Product Declaration), que garante transparência nas metas de redução de emissão de poluentes – o primeiro jato foi o Global 7500 em 2020.

Divisão que restou

Com a substituição do Challenger 350 e o fim da produção do Learjet, o Challenger 3500 será o jato executivo mais acessível da Bombardier, sintoma do enxugamento da divisão aeronáutica do grupo.

Rival do brasileiro Praetor 600 e do Gulfstream 280, o Challenger precisará realmente de um esforço grande para que a empresa possa manter a única divisão de aviação que restou após vender os aviões regionais CRJ e CSeries e os modelos da De Havilland Canada.

Total
10
Shares
Previous Post

Primeiro jato C919 de produção está perto da montagem final

Next Post

Força Aérea da Espanha recebe primeiros aviões de treinamento PC-21

Related Posts