Bombardier vende divisão de trens e passa a focar somente na aviação executiva

Grupo canadense concluiu a venda de seu negócio de trens para a empresa francesa Alstom
Jato executivo Learjet 75 Liberty
Os negócios da Bombardier agora são focados apenas na aviação executiva (Divulgação)

A Bombardier confirmou na última semana a conclusão da venda de sua unidade de transporte ferroviário, a Bombardier Transportation, para a empresa francesa Alstom. Com a transferência da divisão de trens, o grupo canadense agora é totalmente focado na área de aviação executiva e serviços aeronáuticos.

A venda da divisão ferroviária renderá a Bombardier uma receita de US$ 3,6 bilhões, incluindo US$ 600 milhões em ações da Alstom. A transação ajudará o grupo canadense a saldar suas dívidas, que giram em torno de US$ 10 bilhões.

“Com esta transação agora concluída, a Bombardier inicia um novo capítulo empolgante focado exclusivamente no projeto, construção e manutenção dos melhores jatos executivos do mundo”, disse Éric Martel, presidente e CEO da Bombardier.

Os rendimentos da transação foram menores do que a estimativa anterior de US$ 4 bilhões devido às “condições de mercado desfavoráveis”, informou a empresa do Canadá.

Liquidação de divisões

Em situação financeira delicada, a Bombardier foi forçada a vender todas as suas divisões na aviação comercial. Em 2019, a empresa vendeu os direitos de produção dos turboélices QSeries ao grupo canadense Longview Aircraft Capital, que rebatizou a série novamente com seu nome original, Dash 8, e ressuscitou a marca De Havilland Canada.

Outra baixa importante em 2019 foi a venda da Short Brothers, na Irlanda do Norte, que pertencia ao grupo desde 1977. A divisão foi adquirida pela Spirit AeroSystems, por $ 275 milhões. Essa mesma empresa também assumiu as fábricas de aeroestruturas da Bombardier nos EUA e Marrocos.

Bombardier CSeries (Bombardier)
O C Series – atual Airbus A220 – foi o último avião comercial projetado pelo grupo canadense (Divulgação)

No ano passado, a fabricante canadense também abriu mão de sua participação no programa A220 (ex-Bombardier CSeries), comprada em definitivo pela Airbus por US$ 591 milhões – a província do Quebec ainda detém 25% do programa. Em junho de 2020, a Bombardier vendeu o programa de jatos regionais CRJ para o conglomerado japonês Mitsubishi Heavy Industries, por US$ 550 milhões.

Veja mais: COMAC quer entregar primeiro jato C919 até o final de 2021

Total
55
Shares
Previous Post
Cirrus SR22T 8000 Limited Edition SR Series

Cirrus lança versão limitada para celebrar 8.000 entregas da Série SR

Next Post
Boeing 737 MAX 8

Boeing prepara movimento para enfrentar o Airbus A321XLR

Related Posts