Labace: Airbus oferece jato executivo de R$ 1 bilhão

Fabricante enxerga potencial para vender jatos super executivos no mercado brasileiro
Airbus ACJ319 (Foto - Airbus)
Airbus ACJ319 (Foto – Airbus)
O Airbus ACJ319 é versão executiva do jato comercial A319, mas com 25 assentos (Fotos Airbus)
O Airbus ACJ319 é versão executiva do jato comercial A319, mas com apenas 25 assentos na série “Individual” (Fotos Airbus)

Imagine ter um jato Airbus A319, igual ao usado pela companhia Tam, apenas para você. Isso é plenamente possível, desde que você seja um bilionário – milionários compram jatos executivos mais “baratos”, como os da Embraer e Bombardier. A divisão de aeronaves executivas da fabricante, chamada “Airbus Corporate Jets” (ACJ), mesmo sem um espaço físico, está presente na Labace 2015 anunciando seus produtos no “boca a boca”.

O principal produto anunciado pela Airbus na Labace é o jato executivo “de entrada” ACJ319neo, baseado na nova geração do A319, com uma série de avanços que aumentaram seu alcance máximo, reduzindo o consumo de combustível e emissões poluentes. A Avianca Brasil, por exemplo, encomendou recentemente um lote dessas aeronaves. “É o que chamam de ‘aeronaves de alta eficiência’. Todas as fabricantes estão trabalhando com esse conceito, o que aumenta o alcance dos aparelhos e reduz custos de operações”, explicou David Velupillai, diretor de marketing da ACJ em entrevista ao Airway na Labace. “E tudo isso pode ser convertido para o modo executivo”, acrescentou.

Veja mais: Como chegar na Labace

O ACJ319neo, como explicou Velupillai, é indicado para governos, grandes companhias (pequenas companhias compram aviões menores) e bilionários, que a Airbus chama de “Individuals”. E são justamente esses cliente que a empresa procura para ofertar seu “jatão” executivo na Labace 2015, que custa US$ 319 milhões (cerca de R$ 1,1 bilhão) – a versão comercial do A319neo custa US$ 100 milhões.

A aeronave, que na versão comercial pode transportar até 160 passageiros, pode ser convertida para levar 25 pessoas na versão Individual. Essa opção contém uma cabine fechada para quatro comissários de borbo, sala de estar, mesa de reunião e uma cabine privada com banheiro e uma cama de casal.

Deu sono? A cabine dos fundos possui um dormitório completo (Foto - Airbus)
Deu sono? A cabine dos fundos possui um dormitório completo (Foto – Airbus)

Não só isso, por levar menos passageiros, o bagageiro cedeu boa parte de seu espaço para um novo tanque de combustível, que eleva o alcance de 6.000 km no A319neo comercial para mais de 12.000 km da série executiva. O novo ACJ319 pode voar de São Paulo até Estocolmo na Suécia, sem escalas e ainda sobra combustível para voar mais duas horas. O alcance do jato, no entanto, é inferior aos dos jatos da Gulfstream e Bombardier, que têm aviões, como os G 650ER e o Global 6000, que podem voar da capital paulistana até Moscou em apenas um tiro.

“Isso é verdade, mas você precisa lembrar do que esse consumidor está tentando fazer. Na maioria do tempo eles não voam longas distâncias . Aqui no Brasil, por exemplo, esse cliente viaja pelo próprio país e com alguma frequência pela América Latina e talvez uma ou duas vezes realiza uma longa viagem que leve a aeronave ao seu limite. Alcance não é tudo”, analisa o diretor de marketing da Airbus.

O Gulfstream 650ER, um jatos expostos na Labace, supera o jato da Airbus em alcance (Foto - Ricardo Meier/Airway)
O Gulfstream 650ER, um jatos expostos na Labace, supera o jato da Airbus em alcance (Foto – Ricardo Meier/Airway)

Além disso, como destacou Velupillai, com um típico humor britânico: “De toda forma, em longas viagens os clientes querem cabines mais confortáveis, e nesse ponto o nosso avião é imbatível”. O ACJ319 tem a mesma altura de cabine da versão comercial, com mais de dois metros de altura e 3,6 m de largura, e um corredor de 33 metros.

O novo jato da Airbus também possui controles totais “fly-by-wire”, que substituem comandos manuais por eletrônicos, tecnologia que aumenta o nível de automação da aeronave. Em outras palavras, o avião fica fica mais “fácil” de pilotar. “A maioria dos fabricantes aqui presentes já possuem aeronaves com controles fly-by-wire, como Gulstream e Embraer, mas o nosso principal concorrente nesse segmento não tem. A Boeing”, comentou Velupillai.

A cabine do ACJ319 tem mais de 2 metros de altura e 3,6 m de largura, além do corredor de 33 metros (Foto - Airbus)
A cabine do ACJ319 tem mais de 2 metros de altura e 3,6 m de largura, além do corredor de 33 metros (Foto – Airbus)

“No ano passado viajei com um cliente bilionário acompanhado de sua família e amigos a bordo de um jato Gulfstream e mais adiante, quando ele voou no ACJ319 contou que foi uma experiência totalmente diferente. No avião americano, ele comentou que depois passou a notar a enorme diferença no espaço interno e a dificuldade para se movimentar no interior da aeronave”, revela Velupillai. O cliente, porém, ainda não comprou o jato da Airbus.

“Quem compra esse avião provavelmente é um bilionário, mas há também companhias que o adquirem para realizar voos fretados (charter). Portanto, milionários também conseguem voar no ACJ3190neo”, brinca o diretor de marketing da Airbus.”Assim como algumas pessoas gostam de carros novos, alguns bilionários gostam de jatos novos. E esse mercado existe no Brasil”, finaliza.

Jato bilionário da Embraer

A fabricante brasileira Embraer também está no mercados dos jatos para clientes bilionários. A divisão executiva da empresa tem desde 2006 o Lineage 1000E, que segue a mesma receita do jato da Airbus com dimensões generosas, emboras menores que a do ACJ3190.

A aeronave é a versão executiva do Embraer 190, um dos aviões mais utilizados pela Azul e em diversas companhias aéreas no exterior. O modelo pode levar praticamente a mesma quantidade de passageiros do ACJ319 e ao reduzir o tamanho do compartimento de bagagem também aumenta sua autonomia: de 4.440 km na série comercial para mais de 8.000 km da versão executiva máxima.

O Embraer Lineage 1000E é baseado do jato E-190, muito utilizado pela Azul (Foto - Embraer)
O Embraer Lineage 1000E é baseado do jato E-190, muito utilizado pela Azul (Foto – Embraer)

Para bilionários em fase de economia, o avião da Embraer tem melhor/beneficio: custa US$ 55 milhões (R$ 191 milhões). O jato nacional também é oferecido para conglomerados e países. A empresa já entregou 13 unidades desde 2009 – a Airbus vendeu 70 unidades desses jatos desde 2006.

No Brasil, existem dois aviões executivos deste porte e um deles é justamente o avião presidencial, um A319CJ (sigla para “Corporate Jets”), que a Força Aérea Brasileira chamada de VC1A “Santos Dumunt”. O avião é operado pela FAB desde 2005 e já realizou viagens pelo mundo todo com autoridades e os presidentes Lula e Dilma. A aeronave da Airbus substituiu os antigos Boeing 707, que eram conhecidos como “Sucatões” (havia também um 737 executivo, o “sucatinha”). O outro modelo é o VC-2, também de uso da FAB, um Embraer Lineage 1000E.

Veja mais: Jatos expostos na Labace podem voar até a Rússia sem escalas

O FAB VC1A, avião presidencial, é o único jato executivo de grande porte em operação no Brasil (Foto - FAB)
O FAB VC1A, avião presidencial, é o único jato executivo de grande porte em operação no Brasil (Foto – FAB)

O Airbus presidencial do Brasil pode levar cerca de 40 passageiros e possui uma configuração interna comparável com a “Governments” atual, além de sistema de comunicação via satélite, equipamento que clientes bilionários também levam no pacote.

Galeria de Fotos:

Total
2
Shares
0 0 votes
Article Rating
19 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Tetsuo Shimura
Tetsuo Shimura
6 anos atrás

Eu ficaria bastante feliz se tivesse um monomotor (Paulistinha) com autonomia para 500 quilômetros ou pelo menos que existissem empresas que facultassem usos por terceiros apenas na condição de passageiros para viagens regionais.

PAULISTA / H
PAULISTA / H
6 anos atrás

Tetsuo, sua referência ao ‘paulistinha” fez-me rememorar e retornar anos e anos da minha vida.
Fiz o curso de pilotagem (AeroClube) num paulistinha. Interior de SPaulo.
Todo em tela. Motorzinho Lycoming 100 HP e 115 HP / e Continental 90 HP/
GOOGLE= ” O Paulistinha CAP-4 é um monomotor de asa alta fabricado pela Companhia Aeronáutica Paulista. Nos modelos CAP-4[2] e, posteriormente, pela Neiva no modelo P-56 C, é considerado um dos aviões treinadores de maior sucesso no Brasil desde a década de 50, já tendo formado diversas gerações de pilotos de avião. Foi projetado com direção de Romeu Corsini da USP. Em 1955, a Neiva adquiriu os direitos de fabricação da aeronave, lançando uma versão batizada de Paulistinha 56 ou Neiva 56. A Força Aérea Brasileira operou a versão Neiva desta aeronave entre 1959 e 1967.[3]”
Abraços ao amigo.

Milton Nauata
Milton Nauata
6 anos atrás

Conheço uma senhora que tem uma aeronave com todas as despesas pagas, tripulação, combustível em troca presta um desserviço aos cidadãos que a custeiam no comando do desgoverno desse país. Inteh.

MM
MM
6 anos atrás

Não precisa virar milionário, basta fazer como o Nove Dedos, que comprou um, com o nosso dinheiro, para uso dele e agora é utilizado na campanha pela sobrevivência no poder …

Osvaldo Junior
6 anos atrás

Eu tenho 3 destes airbus….quebra um galho sim….

Celito Medeiros
Celito Medeiros
6 anos atrás

Quem é bilionário deve ter, mas não precisa ser bilionário para ter um avião de grande porte, apenas alguns milhões.
Note Tom Cruise, John Travolta e outros…
No entanto, existem leilões de jatos e boeings que não chegam a custar um milhão de dólares e em muito bom estado.
Jatinhos e aviões bi motores a preços muito em conta.

Osvaldo damiao
Osvaldo damiao
6 anos atrás

Eu fiz meu curso em 1963 em um paulistinha com motor de 65 HP.o prefixo era PT-AJA.A cidade : Foz do iguacu-Pr.Saudades!!
Osvaldo Damião

Johny
Johny
6 anos atrás

Eu tinha um desses, mas minha mulher pediu para trocar por um A380, pq a sala de estar é maior para receber as visitas.

JOÃO CARLOS
JOÃO CARLOS
6 anos atrás

E eu, que quase nunca saí daqui de Jundiaí, o máximo saí uns 30 km fora, nunca fui a São Paulo, não conheço o mar, ficaria feliz se conseguisse trocar minha velha Honda CG 125 ano 78 por um Fiat UNO 1990.

dante
dante
6 anos atrás

E so começar a negociar com o pessoal do governo e petrobras que vc compra a Airbus.

amigo
6 anos atrás

Eu tenho um avião em casa, tem duas turbinas bem potentes e uma rabeta bem empinada.

Marcello Pasini
Marcello Pasini
6 anos atrás

OLha 55 milhões no embraer e caro mas va la. Agora 315 em um acj319 ta mega errado esse preço.. Um a380 sai por 400 milhoes; e um bbjo 738 sai por uns 100. super errado esse preço…. Mesmo pq mesmo colocando um interior de uns 20 milhões nao custaria isso nem aqui nem na china…A nao ser que colocaram os impostos do brasil. rsrsrs

Antonio
Antonio
6 anos atrás

Deve ser uma experiência gratificante, única na vida, ter um Air Force One pra chamar de seu.

Antonio
Antonio
6 anos atrás

E aí AMIGO, este teu avião doméstico tem assento p/ os “parças”, como o jatinho do Neymar? Tô dentro, peixe.

mozart
mozart
6 anos atrás

só pra corrigir, na FAB o Lineage 1000 na verdade não é chamado de VC-1A e sim de VC-2

Carlos
Carlos
6 anos atrás

Eu nem ligo pra isto pois tomei red bull e criei asas

Asil
Asil
6 anos atrás

Quem aprendeu a voar em Paulistinha (CAP-4), voa até em urubu…!!!

trackback

[…] Veja mais: Airbus anuncia jato executivo de R$ 1 bilhão na Labace […]

marcio alves
marcio alves
6 anos atrás

boa noite , UM EMBRAER LINEAGE 1000E PODE SER COMANDADO POR APENAS UM PILOTO?

Previous Post
Marco Tulio Pelegrinne, diretor da divisão de jatos executivos da Embraer, comemora a certificação do Legacy 450 (Foto - Thiago VInholes)

Embraer Legacy 450 recebe certificação ANAC

Next Post
O Global 600 é avaliado em cerca de US$ 60,5 milhões (Foto - Ricardo Meier/Airway)

Jatos da Labace podem voar até a Rússia sem escalas

Related Posts